sábado, 11 de agosto de 2018

Palanque dividido com o PT, no Ceará, traz dificuldade ao candidato Ciro Gomes

Sem a estrutura esperada para sua campanha - inicialmente ele admitia até ser o substituto de Lula -, Ciro Gomes (PDT), ao declarar publicamente estar disputando a Presidência da República pela última vez neste ano (ele já foi candidato duas outras vezes), vai despender todos os seus esforços para ter, no Ceará, a mais expressiva votação, que lhe permita, com o irmão Cid, permanecer, pelo menos até mais um certo tempo, como liderança política no Estado. Não se vislumbra facilidade, porém, para essa sua empreitada conseguir tal objetivo.
A aliança com o PT no Ceará, para reeleger o governador petista que ajudou a eleger em 2014, Camilo Santana, é o obstáculo principal, presente e futuro. Por razões pessoais, talvez não. Mas, com certeza, pelo explícito conflito partidário. As relações entre os petistas e os irmãos Ciro e Cid Gomes, hoje, são bem diferentes daquelas do pleito de 2014, quando os dois se entregaram de corpo e alma ao PT, tanto para levarem Camilo à chefia do Executivo estadual, quanto para defender o nome da ex-presidente Dilma, que, com Lula, este no auge de sua popularidade, sequer vieram ao Ceará ajudar Camilo, alegando a lealdade do senador Eunício, o adversário do hoje governador à época.
O governador, por certo, ganhará um novo mandato. É muito fraca, presentemente, a oposição à sua reeleição. Mas, vitorioso, qualquer que tenha sido o empenho dos dois irmãos, não serão eles apontados como a razão dos louros, como os foram, no passado recente.
A votação recebida por Ciro, no Estado, muito mais que a de Cid para o Senado, poderá contrapor-se aos argumentos de que teria sido o PT do Lula, o agora principal eleitor do Camilo, posto a expectativa de o candidato substituto do ex-presidente, na disputa presidencial, também vir a ser bem votado no Ceará, como foi nas duas vezes em que Ciro e Lula disputaram o cargo de presidente.
VenceEm 1998, o cearense foi candidato pela primeira vez à chefia da Nação. Ele venceu Lula no Ceará com uma diferença de 37.112 votos, e mais de 100 mil sufrágios contra Fernando Henrique, postulante ao seu segundo mandato. Em 2002, Ciro novamente vence Lula no Ceará, com uma diferença maior, 176.284. O terceiro candidato era José Serra, cuja votação foi realmente inexpressiva, levando-se em consideração a força do seu partido naquele momento no Estado. Serra conseguiu apenas 293.425. Lula, naquele ano, conquistou o mandato de presidente.
O terceiro nome da disputa de 2018, no Ceará, vai ser o deputado Jair Bolsonaro. Pode surpreender ou não, apesar da inexpressiva representação partidária no Estado. É, contudo, uma pedra no caminho do ex-governador cearense para alcançar o seu objetivo local. Cid Gomes, o também ex-governador, é o reforço com que conta Ciro.
Cid vai pedir o voto para ele, Camilo e o irmão. No segundo momento, também com veemência, ele defenderá a eleição ou reeleição dos deputados de seu grupo político. Afinal, para a manutenção do seu status de líder político, não basta apenas eleger-se, continuar tendo Camilo como governador e não contar, como hoje conta, com o maior número de parlamentares ao seu lado.
Agora, para que tudo transcorra de modo a satisfazer o projeto em execução, necessário se faz estabelecer parâmetros de convivência, para evitarem arranhões como os que ocorreram na convenção dos petistas e pedetistas, no último domingo. A expectativa de hoje é de se repetirem, em vários municípios, onde os prefeitos tiverem controle dos espaços, quando da realização de concentrações com a presença do governador e de Cid Gomes.
Ciro tem razões para creditar ao PT o insucesso das negociações para ter o PSB como o seu principal aliado. A maioria do partido não queria ir para o lado de Lula, tanto que decidiu ficar sem aliança, depois de todas as investidas do PT para não ser fechado o acordo com o cearense. Ele vai reagir com a arma que tem, o discurso, contra os petistas no plano nacional e local.
Além da questão principal, a disputa dos votos para presidente, tem a eleição do outro senador, Eunício Oliveira, defendida por Camilo. Ela não faz parte do projeto dos irmãos. O senador ainda é adversário de Cid. Ciro o tem como inimigo. Não é, essa, uma situação irreconciliável. Na política não existe o impossível. Mas, pelas consequências geradas pelo rompimento deles em 2014, ainda tem muito a ser purgado entre os três, e o espaço de tempo até o dia da votação, 7 de outubro, é muito exíguo para a expiação de todos os pecados, abrindo espaço para um consequente e necessário perdão, recíproco, para que voltem, a curto prazo, ter uma convivência menos beligerante.
*** Informações com Diário do Nordeste - Editor Político: Edison Silva
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711 (TIM). Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918 (TIM) e (88) 9.9292-5553 (CLARO).
PS.: "Se algum dia você for surpreendido pela injustiça ou pela ingratidão, não deixe de crer na vida, de engrandecê-la pela decência, de construí-la pelo trabalho." (Edson Queiroz).

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores