domingo, 1 de outubro de 2017

Tasso quer conciliação para evitar conflito entre Senado e Supremo Tribunal Federal

Ao decidir pautar ação que discute a legalidade de o Supremo Tribunal Federal (STF) afastar parlamentares dos mandatos, a presidente da Corte, Cármen Lúcia, deixou o Senado dividido. De um lado, estão os parlamentares que acham que a melhor solução é esperar a votação do tribunal, marcada para o próximo dia 11. Do outro, os que entendem que o Senado deve se impor e votar o mérito da decisão da Primeira Turma – que afastou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) das funções e determinou o recolhimento noturno — na próxima terça-feira, como definido em votação de requerimento de urgência no último dia 28.
O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissatti (CE), defendeu a conciliação. “Tudo que for possível para evitar um conflito entre os poderes é preciso fazer, é o melhor para o País”, declarou Tasso Jereissatti.
Entretanto, o líder do partido na Casa, senador Paulo Bauer (SC), avalia que não existem motivos para aguardar a reunião do plenário da Corte uma vez que a ação de inconstitucionalidade pautada pelos ministros tem teor diferente ao julgamento do mérito da decisão tomada contra Aécio.
De acordo com Bauer, “o PSDB se mantém na postura de fazer a votação terça-feira, tal qual se votou no dia de ontem. Porque o Senado, como instituição da República, precisa esperar 16 ou 17 dias para ver se uma decisão do Supremo deve ou não deve ser aplicada?. Não há razão para isso”, explicou o líder.
Em vídeo divulgado na tarde desta sexta-feira, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) ressaltou que a presidente do STF “cresce nas crises, e é esta a expectativa que a sociedade tem dela”. Para ele, esse embate vivido entre Senado e Supremo não se trata apenas “de quem é a palavra final”, mas de zelar pela Constituição e pela separação dos Poderes.
“Nunca imaginei estar vivo para ver constitucionalistas conhecidos, ministros do STF, graças a Deus uma minoria, nomeados para fazer o controle constitucional dizerem que se pode colocar o Código de Processo Penal acima da Constituição que consagra valores republicanos”, ponderou o senador.
Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), existe “um vácuo legal” na posição tomada pela Primeira Turma do STF. “Para mim, há um vácuo legal nessa decisão — afirmou Maia, completando em seguida. — A decisão que foi tomada é uma prisão. Você está fazendo um regime aberto com recolhimento noturno. É uma prisão. Há condições de o Supremo tomar essa decisão? Essa é uma decisão que o Supremo tem que avaliar”.
A ação que será julgada, de autoria dos partidos PP, PSC e SD, chegou à Corte em 2016. O texto solicita que a declaração das medidas cautelares alternativas à prisão não tenham eficácia imediata quando determinadas pelo tribunal contra um parlamentar. Assim, o Congresso precisaria votar para que, só depois do aval da Casa, a medida tenha credibilidade para ser colocada em prática.
*** Informações com O Globo via Ceará News 7
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores