quarta-feira, 23 de agosto de 2017

STF: Collor vira réu na Lava Jato por supostos desvios na BR Distribuidora

Nesta terça-feira (22), o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou, por unanimidade, denúncia contra o senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) na Operação Lava Jato e o tornou réu pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e comando de organização criminosa. Collor é acusado de receber mais de R$ 30 milhões em propina por negócios da BR Distribuidora.
A decisão coube à Segunda Turma do STF, composta por Edson Fachin (relator), Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.
Também responderão como réus na ação Pedro Paulo Bergamaschi de Leoni Ramos, ex-ministro do governo Collor e considerado operador de Collor em diversos negócios; e Luís Pereira Duarte de Amorim, diretor da Gazeta de Alagoas, apontado como testa de ferro e recebedor de propina para Collor.
A denúncia foi apresentada em agosto de 2015 pela Procuradoria Geral da República (PGR) A principal acusação é de que, em conjunto com outras pessoas, Collor teria pedido e recebido, entre 2010 e 2014, pelo menos R$ 30,950 milhões em três negócios envolvendo a BR Distribuidora, que tinha dois diretores indicados pelo senador.
A denúncia ainda aponta a compra de carros luxuosos, imóveis e obras de arte usando suposto dinheiro de propina. Teriam sido adquiridos um Bentley Continental Flying Spur, por R$ 975 mil; uma Range Rover SDV8 Vogue, por R$ 570 mil; uma Ferrari 458, por R$ 1,450 milhão; uma Porsche Panamera S, pago em espécie, em valor não discriminado; um Rolls Royce Phantom, por R$ 1,350 milhão; uma casa de campo em Campos do Jordão (SP), por R$ 4,5 milhões; um quadro de Di Cavalcanti e outras obras de arte e antiguidades, por R$ 4,6 milhões; e uma lancha, chamada Mama Mia II, por R$ 900 mil.
Outro ladoNa semana passada, durante a primeira parte do julgamento, os advogados de Collor defenderam a rejeição da denúncia. O defensor de Collor sustentou durante o julgamento que não há provas de que o parlamentar teria recebido dinheiro desviado. Para o advogado Juarez Tavares, não há ato de ofício que possa comprovar contrapartida por parte do senador para receber a suposta propina.
"Não há prova efetiva de que o senador Collor de Mello tivesse recebido dinheiro destas entidades às quais estaria vinculado, ou seja, a BR Distribuidora, os postos de gasolina ou as empresas privadas às quais fazia contrato. Não há uma prova de que o ingresso nas contas do senador advém dessas empresas ou de atos vinculados à realização desses contratos”, disse o advogado.
*** Informações com Jornal do Brasil
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores