Celular é encontrado dentro de sapo jogado em presídio de Belo Horizonte

A criatividade no mundo do crime parece não ter limites. Em Minas Gerais, para burlar a segurança de um presídio, e colocar um celular dentro da unidade prisional, bandidos utilizaram um sapo. O anfíbio foi morto, teve o aparelho telefônico inserido no corpo e depois a boca amarrada.?

O animal, então, foi arremessado no telhado da cadeia. Só que policiais penais flagraram a ação e apreenderam o sapo. O caso aconteceu nesta terça-feira (21) no Presídio de Montes Claros I, no Norte do Estado.

De acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), os agentes ouviram o barulho de algo batendo na muralha da unidade prisional. Desconfiados, abriram o animal e encontraram o objeto. “Os procedimentos de ronda, que são realizados de forma contínua, permitiram a apreensão do ilícito”, afirma o diretor regional da 11ª Região Integrada de Segurança Pública, Antônio José Costa.

“Trabalhamos diariamente para coibir a entrada desses objetos em nossas unidades. Temos equipes preparadas para atuar e impedir cada vez mais a presença de materiais proibidos”, concluiu. A Sejusp informou que entregou o celular para a Polícia Civil, que vai investigar o caso.

Além disso, um procedimento interno para apurar as circunstâncias da ocorrência foi aberto pela direção da unidade prisional. O autor do arremesso do sapo não foi identificado e detido.

ASSISTA O VÍDEO AQUI:

 

*** Informações com 👉O Tempo

ATENÇÃO: 👉 SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DE VÍDEOS – 👌 Clique Aqui

Aluga-se excelente Ponto Comercial, localizado na Rua Cel. Pedro Aragão, 1366, Centro Comercial de Ipu, banheiro, ampla área com porta de vidro. Lugar central e ao lado da Fábrica Wolga, coração da Terra de Iracema. 👉 Valor: R$ 400,00. Interessados ligar via: 👉 WhatsApp: Tim (88) 9.9688-9008 e TIM (88) 9.9736-3674.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.