sexta-feira, 25 de setembro de 2020

Rio vive cenário peculiar em 2020 com Witzel afastado e Crivella inelegível

Um dos colégios eleitorais mais importantes do país, o Rio de Janeiro vive uma situação peculiar: está com
um governador afastado à beira do impeachment e o prefeito da capital estadual inelegível até 2026. Mais do que uma situação local, o futuro político dos dois representantes do Executivo fluminense é de grande interesse do Palácio do Planalto. Político com longa carreira no Rio de Janeiro até se tornar presidente da República, Jair Bolsonaro dedica especial atenção em eliminar a trajetória do desafeto Witzel e aumenta a influência política do clã no estado.
Em junho, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aceitou, por unanimidade, o processo de impeachment contra o governador afastado Wilson Witzel (PSC). Mais de três meses depois, com o político já afastado do cargo pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e mais informações relativas ao suposto envolvimento dele em esquema na Saúde, os deputados estaduais repetiram o placar: 69 a 0. Em situação bem diferente, o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), acossado por denúncias de corrupção, conseguiu barrar dois pedidos de impeachment em um período de 15 dias. É na Justiça que o prefeito do Rio enfrenta sérios obstáculos para o seu projeto político.
Analistas ouvidos pelo Correio apontam as diferenças entre Crivella e Witzel. O primeiro foi senador por duas vezes, tem uma base sólida entre evangélicos, ocupa a prefeitura há quase quatro anos e construiu uma base política na Câmara dos Vereadores. Witzel, por outro lado, entrou para o governo quando ninguém imaginava que pudesse ser eleito. Ex-magistrado e sem histórico na política, conquistou o eleitorado com um discurso moralizador e venceu o veterano Eduardo Paes.
Analista político do portal Inteligência Política, Melillo Dinis desconhece o afastamento de um chefe do Executivo de forma tão inequívoca como a de Witzel. Para ele, o gesto da Assembleia Legislativa mostra que o governador afastado não teve nenhum tipo de relação com parlamentares, nem mesmo com aqueles que se elegeram com ele. O ex-magistrado não possui, tampouco, um eleitorado fiel. Witzel, segundo Dinis, beneficiou-se da rejeição dos eleitores aos políticos do “sistema”  ou seja, aqueles que rejeitaram os outros candidatos e viram em Witzel uma possibilidade. “Ninguém sabia quem ele era”, comenta.
Quase dois anos depois, os ventos favoráveis a Witzel acabaram. Na última quarta-feira, o clima entre os deputados estaduais foi de unanimidade para dar prosseguimento ao processo de impeachment. Independentemente do que o acusado falasse em sua defesa, o entendimento era de que não havia clima político para livrar o governador. Até amigos pessoais de Witzel, como Bruno Dauaire (PSC)  que chegou a ser escolhido como líder do governo em julho, mas não assumiu , e Rodrigo Amorim (PSL), votaram contra ele. A ausência de uma base fiel foi comentada pelos parlamentares. Chicão Bulhões (Novo) disse que o governador não se relacionou com a Alerj e “nem sequer governou o estado do Rio”.
*** Informações com:  Correio Braziliense

Aluga-se excelente Ponto Comercial, localizado na Rua Cel. Pedro Aragão, 1366, Centro Comercial de Ipu, banheiro, ampla área. Lugar central e ao lado da Fábrica Wolga, coração da Terra de Iracema. ** Valor: R$ 350,00. Interessados ligar: (..) Tim (88) 9.9916-7711 ou TIM (88) 9.9985-0788.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

POSTAGENS MAIS LIDAS