sábado, 16 de maio de 2020

Novos estudos "desaconselham" cloroquina, pivô da queda do Ministro da Saúde NelsonTeich em plena pandemia da COVID-19.

Pivô da crise entre o presidente Jair Bolsonaro e Nelson Teich, ministro exonerado da Saúde, a cloroquina/hidroxicloroquina, remédio usado contra a malária e outros males, ganhou o noticiário mundial no dia 19 de março, durante uma coletiva do presidente Donald Trump, em que anunciou o medicamento como esperança para tratar pacientes com Covid-19. De lá para cá, aliados do americano, como o presidente Jair Bolsonaro, mobilizaram suas bases de apoiadores para defender o remédio, em tentativas de minimizar a gravidade da pandemia e de apressar a reabertura da economia. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há ainda um consenso científico sobre a eficácia da cloroquina contra a Covid-19.

A cloroquina não parece ser eficaz em pacientes graves de Covid-19 e mesmo nos quadros leves, segundo dois estudos publicados ontem. O primeiro deles, de pesquisadores franceses, conclui que o derivado da cloroquina, útil no tratamento da malária, não reduz significativamente a probabilidade de um infectado precisar de tratamento intensivo ou de óbito em pacientes com a pneumonia decorrente da infecção.
Sem aval - Para o segundo estudo, de uma equipe chinesa, a cloroquina não elimina o vírus mais rapidamente do que os tratamentos padrões em pacientes com uma forma "leve" ou "moderada" da doença. Além disso, os efeitos colaterais são mais importantes. "Tomados em conjunto, esses resultados não apoiam o uso da hidroxicloroquina como tratamento de rotina para pacientes com Covid-19", afirmou a revista médica britânica BMJ, que publica os dois estudos.
O primeiro estudo foi baseado em 181 pacientes adultos hospitalizados com pneumonia causada pela Covid-19, que forçou a administração de oxigênio. Um total de 84 recebeu cloroquina diariamente menos de dois dias após a hospitalização, diferentemente dos outros 97.
Não houve qualquer alteração com o tratamento, seja na transferência para a reanimação (76% dos pacientes tratados com cloroquina estavam em reanimação após 21 dias, em comparação com 75% no outro grupo) ou na mortalidade (a taxa de sobrevivência no dia 21 foi de 89% e 91%, respectivamente).
"A hidroxicloroquina chamou a atenção mundial como potencial tratamento para a Covid-19 devido a resultados positivos de pequenos estudos. No entanto, os participantes deste estudo não apoiam seu uso em pacientes hospitalizados com Covid-19 que precisam de oxigênio", concluem os pesquisadores de vários hospitais na região de Paris.
A cloroquina é usada no tratamento de doenças autoimunes, como lúpus e artrite reumatoide, e tem fortes apoiadores. O controverso cientista francês Didier Raoult defende seu uso em pacientes no início da doença, juntamente com o antibiótico azitromicina.
O "ditador" Maduro defende medicamento - Bolsonaro não está sozinho em sua defesa da cloroquina para o tratamento da Covid-19 apesar da falta de evidências médicas que o respaldem. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, também é entusiasta do uso da cloroquina. "Com eles (cientistas e médicos), avançamos na produção de difosfato de cloroquina, um medicamento eficaz para o tratamento contra a Covid-19. Sim, nós podemos, Venezuela", escreveu Maduro em rede social. Ele já recomendou ervas para combater o vírus.
#fiqueemcasa
*** Informações com DIÁRIO DO NORDESTE.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

POSTAGENS MAIS LIDAS