terça-feira, 5 de maio de 2020

Mais um embate: Bolsonaro nega interferência na Polícia Federal, se exalta e manda jornalistas 'calarem a boca'. Assista

BRASÍLIA - Um dia após nomear o novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Souza, o presidente Jair Bolsonaro negou nesta terça-feira, 5, interferência no órgão de investigação e se exaltou com jornalistas quando questionado se havia determinado a troca do superintendente do Rio de Janeiro.

"Cala a boca", gritou o presidente nas três vezes que foi indagado sobre o assunto em frente ao Palácio da Alvorada. Ele deixou o local sem responder a perguntas. 
Souza foi nomeado ontem e tomou posse em seguida, em uma reunião que durou 20 minutos. No mesmo dia, em uma das primeiras medidas no cargo, o novo chefe da PF mudou o comando da Superintendência da corporação no Rio de Janeiro – área de interesse de Bolsonaro e seus filhos.
O superintendente Carlos Henrique Oliveira foi convidado para assumir a direção-executiva da PF, o que o coloca como número dois do novo diretor. A promoção foi vista por delegados como uma forma “estratégica” de trocar o comando da PF fluminense. O nome de quem vai assumir o posto ainda não foi divulgado.
"O atual superintendente do Rio de Janeiro, que o (ex-ministro Sérgio) Moro disse que eu quero trocar por questões familiares... Não tem nenhum parente meu investigado pela PF, nem eu nem meus filhos, zero. Uma mentira que a imprensa replica o tempo todo, dizer que meus filhos querem trocar o superintendente", disse Bolsonaro.
No último dia 24, ao anunciar sua demissão do governo, ex-ministro da Justiça acusou o presidente de tentar interferir na PF e de ter acesso a relatórios de inteligência do órgão. Moro citou que, além do comando da corporação, Bolsonaro também cobrava mudanças nas superintendências regionais, como a do Rio.
"Para onde ele (Carlos Henrique Oliveira) está indo? Para ser diretor-executivo da PF, ele vai ser da superintendência, são 27 superintendências, para ser diretor-executivo. Eu estou trocando ele? Eu estou tendo influência sobre a PF? Isso é uma patifaria", afirmou o presidente, que carregava na mão uma cópia da capa do jornal Folha de S.Paulo nas mãos com a notícia da mudança no Rio. "Manchete da Folha de S.Paulo de hoje: novo diretor da PF assume e acata pedido de Bolsonaro. Que imprensa canalha, Folha de S. Paulo. Canalha é elogio para a Folha de S.Paulo."
Em seguida, questionado pela reportagem do Estadão/Broadcast se pediu a troca na superintendência do Rio, Bolsonaro reagiu mandando a profissional calar a boca. "Cala a boca, não perguntei nada", gritou. Diante da insistência de outro repórteres, ele voltou a mandar os jornalistas calarem a boca.
"Não interferi em nada", continuou. "Não tenho nada contra o superintendente do Rio e não interfiro na PF. Ele está sendo convidado para ser diretor-executivo, o zero dois."
"É a mesma coisa que eu chegasse, suposição, para o Ministério da Defesa e dissesse eu quero que troque o Comandante do Comando Militar do Sul, que eu não gosto dele e coloque ele como comandante do Exército. É a mesma coisa", disse Bolsonaro.
Nomeação - O novo diretor da PF é considerado o braço direito do diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem. Na semana passada, Ramagem chegou a ser nomeado por Bolsonaro, mas o ato foi barrado por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. O ministro entendeu que a nomeação não atendeu ao princípio da impessoalidade.
Como mostrou o Estadão no sábado, a nomeação de Rolando é vista como uma alternativa do presidente para manter a influência de Ramagem, que é próximo à família Bolsonaro, na corporação.
Investigação - O agora ex-superintendente da PF no Rio poderá ser ouvido pela PF no inquérito que apura desvio de finalidade e tentativa de "interferência política" de Bolsonaro na corporação. Ontem, o procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao Supremo que autorizasse o depoimento do novo diretor executivo da Polícia Federal.
Em agosto do ano passado, Oliveira estava no centro da crise entre Bolsonaro e Moro pela troca de comando na PF. Além dele, deverão ser ouvidos no caso o ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo e o superintendente no Amazonas, Alexandre Saraiva – nome que chegou a ser indicado por Bolsonaro para Oliveira no comando da corporação no Rio.
#fiqueemcasa
*** Informações com O ESTADÃO.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

POSTAGENS MAIS LIDAS