quinta-feira, 16 de abril de 2020

STF "Bate Martelo" e garante que estados e municípios podem decidir sobre isolamento social

Em decisão na tarde desta quarta-feira (15/04/2020), os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram que prefeitos e governadores têm autonomia para determinar a intensidade e como farão o isolamento social nas regiões. A determinação reduz os poderes do presidente da República, que tinha editado a Medida Provisória nº 926/2020, que determinava, até então, que era ele, Bolsonaro, quem deveria apontar quais serviços seriam essenciais e quais os serviços públicos que não poderiam parar. Foi a partir da MP, por exemplo, que Bolsonaro determinou a reabertura das agências lotéricas.
Essa foi a primeira sessão por videoconferência com os ministros na história do STF. Celso de Mello, que passa por problemas de saúde, não participou, e Luís Roberto Barroso se declarou suspeito. Os ministros apreciaram a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6341, impetrada pelo PDT, contra a MP. Os ministros não decretaram inconstitucionalidade à medida editada pelo governo, mas mudaram a interpretação das mudanças que a norma provocou na Lei nº 13.979/2020, de enfrentamento ao coronavírus.
Agora, caberá a governadores e prefeitos decidirem sobre a interrupção de atividades, exceto em caso em que se trate de interesse nacional. O relator da ADI, ministro Marco Aurélio Mello, afirmou que o texto viola a autonomia dos entes federados. Já o ministro Alexandre de Moraes destacou que federalização é um dos princípios da democracia brasileira. A ministra Cármen Lúcia destacou que, em todos os períodos ditatoriais, os governos retiraram poder dos municípios e estados. 
O presidente do STF, Dias Toffoli, leu a interpretação das alterações provocadas pela MP ao fim do julgamento. "Foi referendada a medida cautelar deferida pelo eminente relator, acrescido de interpretação conforme à Constituição ao parágrafo 9o do artigo 3º da Lei nº 13.979, a fim de explicitar que, preservada a atribuição de cada esfera de governo, nos termos do inciso 1 do artigo 198 da Constituição, o presidente da República poderá dispor, mediante decreto, sobre os serviços públicos e atividades essenciais. Vencidos neste ponto o ministro relator e o ministro presidente Dias Toffoli”, proferiu.
O texto da MP também determina que prefeitos e governadores procurem as agências reguladoras antes de tomar iniciativas que possam ter repercussões econômicas negativas para as regiões e para o país. O ministro Luiz Fux, que votou com o relator contra a intromissão do governo nos estados e municípios, defendeu esse trecho da medida. "É mister que, nessa situação, a União, estados e municípios tenham que ouvir as agências reguladoras. As atividades fins necessitam de atividades meio”, explicou. Ele também criticou a postura de Bolsonaro ao editar o texto. “A ação do governo não pode blindar a atuação dos demais entes", alertou.
*** Informações com JORNAL  CORREIO BRAZILIENSE
Atenção - Pedimos aos nossos "Seguidores amigos" que participem do nosso novo Canal de Comunicação de Vídeos do YouTube. Contamos com a inscrição de todos. CLIQUE AQUI. Estamos também trabalhando com imagens aéreas de Drone. Interessados ligar: (..) Tim (88) 9.9916-7711.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

POSTAGENS MAIS LIDAS