quarta-feira, 8 de abril de 2020

Falta de acesso à tecnologia e à informação são gargalos para pagamento de auxílio emergencial

Após o Governo Federal lançar ontem (7) o calendário de pagamento do auxílio emergencial - que varia de R$ 600 a R$ 1.200 - e todas as condições para o cadastro dos trabalhadores informais que não estão inscritos em nenhuma plataforma, como Cadastro Único, o próximo desafio a ser superado na transferência de renda a esse segmento da população é fazer com que o recurso chegue à essas pessoas.
Segundo especialistas e economistas, diversos fatores fazem com que este dinheiro não alcance a ponta de forma universal. Eles citam a falta de informação, o acesso à tecnologia e a indisponibilidade da rede bancária em vários municípios do interior do Ceará.
Para o professor do curso de Economia Ecológica da Universidade Federal do Ceará (UFC), Aécio Alves de Oliveira, um dos problemas a serem enfrentados pelas pessoas mais carentes é a falta de acesso à tecnologia e também à informação. "Cria-se um problema sério, principalmente, para os mais necessitados e para os mais velhos. Isso pode, inclusive, gerar oportunismo, ou seja, algumas pessoas vão se aproveitar dessa situação", explica o professor.
Ele diz que, mesmo simplificados, os programas de cadastro, como aplicativos e sites, são muito sofisticados para essas pessoas. "Isso poderia ter sido simplificado se tivesse dado às prefeituras municipais essa missão, que fariam um planejamento de maneira mais simples. E isso ocorre porque o Governo está numa disputa política de querer mostrar serviço", acrescenta.
Oliveira também afirma que regionais e órgãos municipais poderiam dar conta de atender esse público, tanto na fase de cadastro como no pagamento do benefício. "Nas regionais, você tem o cadastro e o endereço das pessoas. Tem outros órgãos das prefeituras disseminados pelas cidades, você tem as areninhas que seriam outro ponto. Você poderia ter agências bancárias nesses locais desconcentrando as pessoas".
O professor defende o pagamento do auxílio de forma descentralizada. "Evidentemente que a minha proposta não está pronta, mas a ideia é que esse processo seja descentralizado, e a estrutura das prefeituras permite essa descentralização", aponta.
Uma das saídas sustentadas por ele é que o Governo Federal emita um cartão de débito para os beneficiários que precisam abrir uma conta na Caixa. "Um cartão que seria aceito no local de compra, até para universalizar o acesso ao dinheiro", sugere.
*** Informações com DIÁRIO DO NORDESTE
Atenção - Pedimos aos nossos "Seguidores amigos" que participem do nosso novo Canal de Comunicação de Vídeos do YouTube. Contamos com a inscrição de todos. CLIQUE AQUI. Estamos também trabalhando com imagens aéreas de Drone. Interessados ligar: (..) Tim (88) 9.9916-7711.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket