domingo, 15 de março de 2020

Incontinência: O problema debilitante que afeta 35,1% das mulheres

A Incontinência Urinária (IU) é uma doença que se caracteriza pela perda involuntária de urina e muitos dos casos diagnosticados podem estar associados à síndrome de Bexiga Hiperativa. Para assinalar a Semana da Incontinência Urinária e para saber mais sobre esta condição, o Lifestyle ao Minuto entrevistou a médica Alexandra Henriques, membro da equipe de Uroginecologia, e do Departamento de Obstetrícia, Ginecologia e Medicina da Reprodução, no Hospital Santa Maria em Lisboa."O impacto é marcado nas várias dimensões da qualidade de vida destas mulheres, incluindo na sua integração social, sexualidade e auto-imagem. Isto traduz-se numa perturbação emocional que habitualmente se traduz por ansiedade e alguns sintomas depressivos. São mulheres que estão tristes com a sua situação, perturbadas com medo de cheirar mal e de ficarem molhadas/sujas", explica a médica Alexandra Henriques.
"Podem demonstrar ansiedade pelo receio de perder urina em ocasiões e locais com exposição pública. Por isso adotam comportamentos para evitar as perdas: deixam de ir ao ginásio, de fazer caminhadas, evitam eventos sociais, evitam beber água, controlam todos os sítios de modo a garantir que há um WC por perto, algumas evitam ter relações sexuais. É uma doença benigna com um grande impacto nas atividades do dia-à-dia mas este impacto depende do grau de aceitação e adaptação à incontinência urinária", acrescenta.
Um novo estudo realizado pelo departamento de ginecologia do Hospital de Santa Maria revela que a prevalência da Incontinência Urinária na Mulher é de 35,1%. Até ao momento, estimava-se que a prevalência da IU em Portugal era de 21,4% - dados de um estudo realizado em 2008 pelo Serviço de Higiene e Epidemiologia da Faculdade de Medicina do Porto - e estudos europeus indicam uma prevalência a variar entre os 18 e os 42%.
A Bexiga Hiperativa (BH) consiste na contração involuntária dos músculos da bexiga enquanto esta se enche de urina e que pode levar as pessoas que dela sofrem a ter de ir à casa de banho mais de oito vezes por dia e duas a três vezes por noite, sendo que em vários casos as pessoas não chegam a ter tempo de chegar à casa de banho, o que tem um grande impacto na vida dos que sofrem desta patologia.
O estudo do departamento de ginecologia do Hospital de Santa Maria, que foi realizado entre setembro e outubro de 2017 através de questionários realizados no grupo de farmácias Holon e que contou com 2226 mulheres inquiridas com idades entre os 19 e os 90 anos, mostra que das 781 (35,1%) mulheres que revelaram ter tido perdas de urinas nas últimas duas semanas, 8,2% tinham obesidade (IMC superior a 30kg/m2), 14,3% referiam ser fumadoras, 80,2% tiveram pelo menos um parto vaginal, 76,2% estavam em pós-menopausa, 27,3% referem infebções urinárias de repetição e 15,2% tinham sido submetidas a histerectomia.
*** Informações com MATÉRIA COMPLETA NO SITE NOTÍCIAS AO MINUTO CLIQUE AQUI
Atenção - Pedimos aos nossos "Seguidores amigos" que participem do nosso novo Canal de Comunicação de Vídeos do YouTube. Contamos com a inscrição de todos. CLIQUE AQUI. Estamos também trabalhando com imagens aéreas de Drone. Interessados ligar: (..) Tim (88) 9.9916-7711.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

POSTAGENS MAIS LIDAS