quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Rajadas de vento podem voltar a ocorrer com chuvas intensas no Ceará

Além da água caindo do céu, outro fenômeno da meteorologia associado à chuva não passou despercebido pelos cearenses, na última semana: as fortes rajadas de vento, que chegaram, em algumas regiões, a ultrapassar os 60 km/h e provocaram diversos transtornos em áreas urbanas, como quedas de árvores e destruição de portões e telhados. As ventanias, no entanto, não são extraordinárias e podem se repetir sempre que as precipitações forem trazidas por nuvens maiores, mais densas e mais escuras.
Esse tipo de nuvem é chamado de "Cumulonimbus", de acordo com o meteorologista e pesquisador da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), David Ferran. "Elas são de grande extensão vertical e normalmente estão associadas com descargas atmosféricas e chuvas relativamente fortes", descreve. As ventanias que as acompanham "são muito localizadas e de curta duração, geralmente de alguns minutos", explica. Ele acrescenta que elas têm velocidade em torno de 50 km/h a 80 km/h.
Na madrugada da última terça, as rajadas em Fortaleza alcançaram 42,12 km/h, segundo a Funceme. Embora a Escala de Beaufort - que classifica a velocidade dos ventos -, aponte o valor como "vento fresco", com capacidade de mover galhos de árvores e gerar ondas de até 3,5 metros, ele foi suficiente para arrancar até mesmo um portão de um condomínio localizado na Avenida Sargento Hermínio. Uma árvore também caiu na BR-116, próximo ao viaduto da Avenida Oliveira Paiva, e bloqueou parte da rodovia.
Na manhã do último domingo, parte do teto do Aeroporto Internacional de Fortaleza também foi arrancada durante a forte chuva com rajadas de vento que atingiu a Capital e a Região Metropolitana. Na ocasião, a Funceme aferiu 47,1 km/h. Ainda conforme a Escala, a partir de 60 km/h, galhos de árvores podem ser partidos e, de 75km/h, podem ocorrer pequenos danos em construções.
No mês de janeiro, do dia 1º ao dia 27, a Autarquia de Urbanismo e Paisagismo de Fortaleza (Urbfor) recolheu 49 árvores em vias e logradouros públicos da Capital; do total, 29 foram retiradas na última semana. O órgão informou ainda que "intensifica o monitoramento das árvores da Capital antes e durante a quadra chuvosa". À noite, fins de semana e feriados, o contato deve ser com o Corpo de Bombeiros. Em casos de entrelaçamento com a rede elétrica, com a Enel Distribuição.
Formação
As rajadas se formam, explica David Ferran, a partir de um contraste de ar seco - provocado pelo calor e pela sensação de "abafado" - com ar frio que vem junto com a chuva. No Ceará, não há predomínio do fenômeno em áreas específicas. "Todas as regiões são propícias a esse tipo de sistema", garante o meteorologista. Contudo, emenda, nem sempre a velocidade máxima aferida pela Funceme condiz com o ponto onde a rajada ocorreu com maior intensidade, já que elas "são muito localizadas".
O modelo percebido nos últimos dias também é diferente do fenômeno dos ventos fortes característico do segundo semestre, quando é comum o registro de velocidades de até 60 km/h. De acordo com David Ferran, aqueles que têm pico nos meses de agosto e setembro "são mais constantes e não provocados por nuvens de chuva, mas pelos ventos alísios, que têm característica de serem de longa duração".
"Já agora, os ventos são mais fracos e, de repente, quando vem uma nuvem de chuva, as rajadas podem ser mais fortes instantaneamente", distingue. Atualmente, o Estado fica perto dos doldrums, regiões de calmaria - e ventos fracos - da Zona de Convergência Intertropical. Logo, as rajadas só surgem com a formação das cumulonimbus. Por outro lado, os bons ventos, após o mês de julho atraem praticantes de esportes náuticos, como windsurf e kitesurf, para o Ceará
Previsão
Conforme a Funceme, o Ceará segue com cenário favorável a chuvas até esta quarta. Os meteorologistas indicam expectativa de precipitações no norte da região Nordeste, principalmente no interior do Estado. O fator para o aumento é a influência da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), um corredor de umidade que está atuando na porção sul da região.
Além disso, a Fundação observa que os ventos alísios tendem a convergir entre o Ceará o Rio Grande do Norte, aumentando a instabilidade na região. Para Fortaleza, chuvas são esperadas com maior força "nos próximos dias", especialmente no período entre a madrugada e a manhã.
Até o próximo sábado (1º), de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a Capital possui tendência de tempo nublado a parcialmente nublado com pancadas de chuva isolada. Os ventos devem ser de fracos a moderados, e a temperatura deve oscilar dos 24 ºC aos 33 ºC.
Para Sobral, na região Norte, o Instituto prevê tempo de "nublado a encoberto com pancadas de chuva", com ventos nas categorias "fraco" ou "moderado com rajadas". Em Juazeiro do Norte, no Cariri, o cenário deve ser de "muitas nuvens", com ventos fracos ou moderados.
*** Informações com: Diário do Nordeste
Atenção - Pedimos aos nossos "Seguidores amigos" que participem do nosso novo Canal de Comunicação de Vídeos do YouTube. Contamos com a inscrição de todos. CLIQUE AQUI. Estamos também trabalhando com imagens aéreas de Drone. Interessados ligar: (..) Tim (88) 9.9916-7711.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket