sábado, 24 de novembro de 2018

Confira ranking do TCU por risco de corrupção de órgãos federais no Ceará

O Tribunal de Contas da União (TCU) divulgou nessa quinta-feira, 22, relatório em que classifica 287 órgãos federais segundo risco de possíveis fraudes e corrupção. Entre os sete órgãos federais com sede no Ceará, lidera o ranking o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), colocado na margem de risco “muito alto” da Corte, com média geral de 0,91. O índice vai de zero a um, sendo um o mais alto risco de corrupção.
Ao todo, outros dois órgãos aparecem como de risco “alto”, com os demais quatro aparecendo na margem de “média” suscetibilidade. Entre esses, o de menor índice de risco de fraude ou corrupção foi do Banco do Nordeste (BNB), com 0,29 no índice. Os resultados serão enviados para a equipe de transição de Jair Bolsonaro (PSL). Confira o “ranking” abaixo:
1º - Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) – 0,91 (risco muito alto).
Inaugurado em 1909, a autarquia concentra hoje R$ 1,6 bilhão no orçamento e coordena obras emergenciais de recursos hídricos, como perfuração de poços profundos no sertão nordestino. Com avaliação geral de 0,91, é o único órgão federal cearense na escala de "risco muito alto", sendo reprovado principalmente por fragilidades em auditoria interna do órgão.
Procurado pelo O POVO Online, o Dnocs afirmou que ainda analisa o relatório e que irá se manifestar por nota oficial em tempo oportuno. 
2º - Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) – 0,83 (risco alto).
Inaugurada em 2010 pelo ex-presidente Lula, a Unilab concentra verba de R$ 74,6 milhões e possui hoje mais de 6,7 mil alunos, com três campi no Ceará e outro na Bahia. No ranking do TCU, aparece na escala de "risco alto" de corrupção e fraude, sendo reprovada principalmente por conta de critérios de auditoria interna e transparência.
A reportagem entrou em contato com a Unilab para ouvir a universidade sobre o caso, mas não recebeu resposta até a publicação desta matéria.
3º - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) – 0,77 (risco alto).
Com 32 campi no Ceará e mais de 361 cursos, o Instituto Federal do Ceará (antigo Cefet e IFCE) tem mais de 33,4 mil estudantes matriculados e concentra verba de R$ 210,9 milhões. No relatório do TCU, o Instituto se sai bem em gestão de Ética e Integridade, mas é mal avaliado por falta de auditoria interna e de instrumentos de transparência e accountability.
Em nota, o IFCE destaca que o órgão não possui precedentes de casos notórios de corrupção, mas que a reitoria já analisa o relatório para tomar providências. Ele destaca que a ação é "bem vinda" e colabora para o aperfeiçoamento da gestão pública.
Sobre as avaliações, o Instituto destaca que já trabalha na implantação de um regime de auditorias internas para "fortalecer ainda mais essa área"."Já no aspecto da transparência e controle de suas ações, o IFCE tem, sistematicamente, promovido adequações no sentido de fortalecê-los, como a implantação da unidade de Gestão de Integridade", diz.
4º - Companhia Docas do Ceará (CDC) – 0,56 (risco médio).
Criada nos anos 1960, a Docas do Ceará é uma empresa pública vinculada ao Ministério dos Transportes que administra o Porto de Fortaleza. Com orçamento de R$ 39,1 milhões, o órgão foi bem avaliado em quase todos os índices, especialmente nos critérios de escolha de dirigentes, mas derrapou em ferramentas de gestão de riscos e controles internos.
5º - Universidade Federal do Ceará (UFC) – 0,54 (risco médio).
Com campi em cinco municípios e mais de 32 mil alunos, a UFC é a instituição de ensino com maior verba no Ceará, em R$ 338,1 milhões. Bem avaliada em gestão de ética e integridade, auditoria interna e critérios de indicação de gestores, o órgão foi mal avaliado principalmente em gestão de riscos e controles internos.
6º - Universidade Federal do Cariri (UFCA) – 0,49 (risco médio).
Com cinco campi em municípios do Cariri, a UFCA foi desmembrada da UFC em junho de 2013 pela então presidente Dilma Rousseff (PT). Com verbas no entorno de R$ 71 milhões, a universidade tem o melhor desempenho de órgãos federais cearenses em transparência, com índice de apenas 0,19, mas derrapa em auditoria interna e gestão de ética e integridade.
7º - Banco do Nordeste (BNB) – 0,29 (risco médio).
Órgão que já foi marcado por denúncias de corrupção, o BNB tem investido em ações de transparência e controle interno nos últimos anos. Bem avaliado em todos os critérios do estudo, o órgão só aparece como risco “médio” por causa do grande volume de recursos que controla, na ordem de mais de R$ 3,5 bilhões.
*** Informações com Jornal O Povo
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711 (TIM). Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918 (TIM) e (88) 9.9292-5553 (CLARO).
PS.: "Se algum dia você for surpreendido pela injustiça ou pela ingratidão, não deixe de crer na vida, de engrandecê-la pela decência, de construí-la pelo trabalho." (Edson Queiroz).

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores