quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Haddad diz estar 'aberto' a incorporar propostas de Ciro Gomes em programa de governo

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, afirmou nesta terça-feira (9) estar "aberto" a incorporar propostas de Ciro Gomes (PDT) no programa de governo.
Haddad deu a declaração em São Paulo, após se reunir com os governadores Wellington Dias (PT-PI), Camilo Santana (PT-CE), Rui Costa (PT-BA) e Flávio Dino (PCdoB-MA).
No último domingo (7), primeiro turno da eleição, Haddad recebeu 29,28% dos votos e disputará o segundo turno com Jair Bolsonaro(PSL), que recebeu 46,03% dos votos.
Candidato do PT, Fernando Haddad, passa o dia em São Paulo
Jornal Nacional
"Eu conversei ontem com o Roberto Mangabeira Unger [interlocutor de Ciro] e disse a ele que estaria aberto a incorporar [no programa de governo] propostas que fossem compatíveis com os princípios [do PT]. E não há incompatibilidade entre os programas. As diretrizes são as mesmas: soberania nacional, soberania popular, direitos trabalhistas e direitos sociais. Enfim, os dois programas estão muito afinados", declarou Haddad.
Disputando a Presidência da República pela terceira vez, Ciro Gomes ficou em terceiro lugar no primeiro turno deste ano, com 12,47% dos votos.
De acordo com o presidente do PDT, Carlos Lupi, o partido "jamais" apoiará Bolsonaro e estuda dar "apoio crítico" a Haddad.
'Figura muito importante'
Ao falar sobre Ciro Gomes, Fernando Haddad, disse que o candidato do PDT "é um democrata e lutará contra o fascismo", o que o torna uma voz "muito respeitada no país".
"[Ciro Gomes] é uma figura muito importante e não é de hoje. O Ciro Gomes tem uma longa trajetória de serviços prestados, inclusive nos nossos governos. PT e PDT governam o Ceará com grande êxito, o governador [Camilo Santana] teve algo próximo a 80% dos votos válidos. Enfim, vamos repetir o êxito do Ceará no Brasil", declarou o candidato do PT.
Para Fernando Haddad, a eventual "convergência" dele e de Ciro Gomes pode gerar um programa de governo "mais robusto".
Aliados históricos
PT e PDT são aliados históricos. Nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, o partido comandou alguns ministérios, entre os quais o do Trabalho e o da Educação.
Na campanha deste ano, porém, Ciro Gomes criticou a decisão do PT de ter Haddad como candidato no lugar de Lula, afirmando que o Brasil "não aguenta outra Dilma".
Sobre o apoio no segundo turno, contudo, o candidato do PDT já afirmou que "ele, não", uma referência ao movimento #EleNão, contrário a Bolsonaro.
"Uma coisa eu posso adiantar logo, como vocês já viram: minha história de vida é uma história de vida de defesa da democracia e contra o fascismo", declarou Ciro no último domingo.
Encontro em SP
Haddad se reuniu nesta terça-feira, em um hotel na Zona Sul de São Paulo, com governadores e apoiadores da campanha dele à Presidência.
Além dos governadores do Nordeste, também estiveram presentes ao encontro o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel; Jaques Wagner, ex-ministro da Casa Civil e senador eleito pela Bahia; e Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras e um dos coordenadores da campanha de Haddad.
Após o encontro, Haddad apresentou algumas propostas à imprensa. Disse, por exemplo, que a Polícia Federal passará a atuar contra o crime organizado "nacionalmente".
"Ou seja, a ideia é a de que nós avencemos no programa que foi apresentado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com a ideia de que a parte grande do crime hoje tem organizações nacionais. Debatemos isso e concluímos que isso é um fato. Organizações nacionais de organização criminosa, que atuam nacionalmente", afirmou.
"E para isso a Polícia Federal tem de entrar. Nós vamos chamar a responsabilidade da Presidência, do próprio presidente da República, a ideia de atuar no combate às organizações criminosas que atuam nacionalmente. Os governadores estão de acordo em relação e isso e agora passa a ser uma proposta encampada por autoridades já reconduzidas, já reeleitas, e, portanto, ganha um ímpeto maior para serem implementadas na primeira hora do próximo governo. Isso é importante declara porque é uma pauta comum", acrescentou.
Na pauta do encontro também foram discutidas propostas para a saúde pública. "Alguns estados do nordeste avançaram na questão das especialidades, sobretudo as policlínicas. Atenção básica é fundamental para que isso dê certo e a conexão com a atenção básica com a média complexidade vai ser feita através dessas clínicas de especialidades, inclusive contará com equpe p´ropria de especialistas", disse Haddad.
Sem visitas a Lula
O candidato do PT deve viajar menos nesta reta final das eleições, e ficar mais tempo em São Paulo para gravar os programas eleitorais. Até o fim da campanha, Haddad não deve mais visitar o ex-presidente Lula na prisão em Curitiba. Segundo o partido, foi um pedido do próprio Lula.
Segundo a presidente partido, a senadora Gleisi Hoffmann, o período do 2º turno é pequeno, e, por isso, o candidato deve aproveitar os dias para se dedicar às atividades eleitorais. "Ele [Lula] mandou um recado para mim: 'Manda o Haddad fazer campanha. Não precisa mais vir aqui'. Nós estamos com um curto espaço de tempo. Só tem mais 2 semanas. Nós temos que aproveitar as próximas semanas, as próximas duas segundas-feiras para que a gente faça campanha, faça as conversas que a gente tem que fazer e ganhe essa eleição'", afirmou Gleisi ao relatar o recado do ex-presidente.
Haddad visitou Lula nesta segunda-feira (8), um dia depois do primeiro turno, no qual obteve 31,2 milhões de votos (29,2% dos votos válidos), atrás de Jair Bolsonaro (PL), com 49,2 milhões (46,2%), com quem disputará o segundo turno no próximo dia 28.
Lula está preso no prédio da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 7 de abril. Ele cumpre pena após ter sido condenado, em segunda instância, no processo do triplex do Guarujá.
Desde o início da campanha eleitoral, Haddad tem feito visitas ao ex-presidente às segundas-feiras, e foi criticado por adversários - entre os quais Bolsonaro - por se reunir com Lula, padrinho político e de quem herdou a candidatura depois que o Tribunal Superior Eleitoral vetou a postulação do ex-presidente com base na Lei da Ficha Limpa.
Apoio do PSOL
No fim do dia, Haddad foi visitado pelo ex-candidato do PSOL, Guilherme Boulos. O partido anunciou apoio a Haddad no 2º turno.
O partido ressaltou, em nota divulgada à imprensa, que decidiu pelo apoio à chapa de Haddad e Manuela D’Ávila (PCdoB) na vice, apesar das “diferenças políticas”.
“O PSOL apoiará, a partir de agora, a candidatura de Haddad e Manuela, mesmo mantendo diferenças políticas e preservando nossa independência. Convocamos toda a nossa militância a tomar as ruas para continuar dizendo em alto e bom som: ele não!”, afirmou a legenda em referência à campanha #elenao contrária a Bolsonaro.
Após o encontro, Boulos disse que o PT se comprometeu a incorporar propostas na campanha, como medidas para garantir salários iguais para homens e mulheres e o fim do auxílio-moradia para políticos e juízes.
*** Informações com: G1
PS.: "Se algum dia você for surpreendido pela injustiça ou pela ingratidão, não deixe de crer na vida, de engrandecê-la pela decência, de construí-la pelo trabalho." (Edson Queiroz).
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711 (TIM). Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918 (TIM) e (88) 9.9292-5553 (CLARO).

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores