sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Primeiro debate televisivo tem ataques e troca de farpas entre candidatos. Assista ao vídeo

Começou, nessa quinta-feira (9/8/2018), a temporada de debates televisivos entre candidatos ao Palácio do Planalto. O primeiro deles foi transmitido pela TV Bandeirantes, e contou com oito dos postulantes à Presidência da República: Álvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriotas), Ciro Gomes (PDT), Henrique Meirelles (MDB), Jair Bolsonaro (PSL), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (Psol) e Marina Silva (Rede).
A ausência do PT fez com que o partido fosse escanteado pelos concorrentes. Pouco se falou sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba após ser condenado a 12 anos e um mês de prisão no caso do tríplex do Guarujá (SP). A Justiça negou o pedido dele para que ele pudesse comparecer ao debate.
O chumbo trocado entre os presidenciáveis deu o tom do que vem por aí, a partir do dia 16, quando começa, de fato, a campanha eleitoral. Nessa quinta, sobravam críticas e faltaram propostas concretas e bem estruturadas. Jair Bolsonaro (PSL) negou-se, até, a responder uma pergunta de Guilherme Boulos (PSol), a quem chamou de "cidadão desqualificado".
Houve quem defendesse ideais em vez de responder aos questionamentos. Na internet, comentou-se a falta de fôlego dos presidenciáveis após o primeiro bloco, considerado o mais quente.
Candidato do PSol, Boulos usou o tempo das considerações iniciais para defender Lula — a única vez em que o petista foi citado. "O ex-presidente Lula deveria estar aqui, mas está preso injustamente, enquanto o (presidente Michel) Temer está lá em Brasília", alfinetou Boulos. Daciolo falou sobre amor, fraternidade e citou, diversas vezes, o "nome de Jesus". No primeiro bloco, os presidenciáveis responderam sobre corrupção, investimento e geração de empregos.
Boulos também teve um acalorado debate com Jair Bolsonaro ao dizer que o parlamentar tinha "mais imóveis que projetos aprovados". Nitidamente irritado, o candidato do PSL perdeu a mão e disse que não estava ali para discutir com um “cidadão desqualificado", recusando-se a responder à tréplica do rival. Na internet, esse foi o momento mais comentado do debate. Usuários escreveram nas redes sociais que o "clima baixou" depois dos ataques mútuos no primeiro bloco.
Geraldo Alckmin foi um dos mais questionados. Ciro Gomes, por exemplo, perguntou sobre a reforma trabalhista. O ex-governador do Ceará fez críticas ferrenhas às mudanças nas leis trabalhistas, que qualificou como "selvageria”. “O seu partido (PSDB) votou a favor da reforma trabalhista. Mais de 32 milhões de trabalhadores foram empurrados para viver de bico. O senhor pretende manter a reforma?” O tucano respondeu que algumas arestas precisam ser ajustadas, mas bateu o pé na necessidade de alteração.
Álvaro Dias aparentava nervosismo e, por diversas vezes, ultrapassou o tempo estabelecido pelo mediador, o jornalista Ricardo Boechat. Tratou de mortalidade infantil e dos crimes contra a mulher quando teve a oportunidade de falar com Bolsonaro. O parlamentar respondeu que “as mulheres de hoje em dia ganham mais que os homens em muitas carreiras” e que “o estado não pode intervir”. Ao ser questionado sobre educação, o capitão da reserva citou matéria do Correio Braziliense desta semana sobre a aceitação de estudantes brasilienses do Colégio Militar na universidade norte-americana de Harvard.
Henrique Meirelles usou seu currículo para tentar sobressair. Sempre que podia, relembrava sua trajetória à frente de grandes empresas, como o Bank Boston e o Banco do Brasil. O ex-ministro de Fazenda frisou ser um “candidato sem processo”, lembrou da criação de milhões de empregos enquanto esteve à frente de instituição financeira mais importante do país. “Emprego não se cria no grito. Precisamos de investimentos.” 
Marina ficou apagada em praticamente todo o debate. A candidata poderia ter aproveitado a oportunidade para se destacar. Preferiu usar frase de efeitos e foi mais citada na internet ao comentar sobre corrupção : "O mundo está cheio de lobo mau querendo comer o dinheiro da vovozinha".
*** Informações com Jornal Correio Braziliense
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711 (TIM). Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918 (TIM) e (88) 9.9292-5553 (CLARO).
PS.: "Se algum dia você for surpreendido pela injustiça ou pela ingratidão, não deixe de crer na vida, de engrandecê-la pela decência, de construí-la pelo trabalho." (Edson Queiroz).

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores