sábado, 7 de julho de 2018

Bélgica bate a Seleção por 2 x 1, e Brasil está fora da Copa do Mundo

A Europa é campeã da Copa do Mundo pela quarta vez. Última esperança da América do Sul, o Brasil está eliminada na Rússia pela temida geração belga. Quando se joga uma partida mal em um torneio curto, não adianta apelar para mantras de fora do campo. O canarinho pistola e o misterioso torcedor russo, que chegou a ser trazido às pressas para a Arena Kazan por um patrocinador da CBF, não têm varinha mágica. É óbvio, mas futebol (ainda) se resolve em campo. Tite tentou de tudo na volta para o segundo tempo, mas não conseguiu impedir a derrota por 2 x 1 nas quartas de final.
A Bélgica avança para enfrentar a França e o Brasil adia o sonho do hexa para o Catar. A maldição da Arena Kazan ceifou mais um. Depois da tetracampeã Alemanha e da bi Argentina, chegou a vez do Brasil diante de um adversário que se planejou desde 1998 para esse momento, como mostrou a matéria de anteontem do Correio Braziliense. 
Pelo menos dois personagens podem ser apontados como herói e vilão. Do lado da Bélgica, o goleiro Courtois. No Brasil, Fernandinho. Substituto de Casemiro, o volante remanescente do 7 x 1 teve uma exibição patética ao marcar gol contra e tomar um vario dos adversários. De Bruyne consolidou o fracasso. 
O primeiro lance de perigo foi do Brasil. Neymar cobrou escanteio, Miranda desviou e Thiago Silva usou a coxa para acertar a trave do goleiro Courtois. No contra-ataque, Lukaku passou em volocidade por Fágner e rolou para Hazard finalizar. A defesa do Brasil rebateu o perigo.
Quando o Brasil pressionava, inclusive com uma furada do volante Paulinho dentro da área, a Bélgica chegou ao primeiro gol. Após cobrança de escanteio, o zaguueiro Kompany desviou a bola na primeira trave. A "casquinha" desviou em Fernandinho e o volante marcou contra. Foi a terceira vez que o Brasil saiu atrás na era Tite. As anteriores aconteceram na derrota para a Argenina, por 1 x 0, e na virara por 4 x 1 sobre o Uruguai nas Eliminatórias, no Estádio Centenário, em Montevidéu. 
A falta de precisão do ataque do Brasil e a tranquilidade do goleiro Courtois a cada finalização do Brasil penalizavam a Seleção a cada contra-ataque da Bélgica. Aos 30 minutos, os "Diabos Vermelhos" desceram em altíssima velocidade. Lukaku ganhou disputa com Fernandinho no campo de defesa, o centroavante rolou para De Bruyne e o meia acertou o canto esquerdo de Alisson para fazer 2 x 0.  
O Brasil ensaiou a reação numa cabeçada fraca de Gabriel Jesus após cruzamento de Marcelo e num chute de fora da área de Philippe Coutinho. A envergadura do excelente goleiro Courtois impediu o primeiro gol do Brasil. 
Do outro lado, a Bélgica continuava colocando o goleiro Alisson para trabalhar. Se não fosse o camisa 1, De Bruyne teria feito o terceiro numa cobrança de falta. Na sequência, a defesa voltou a falhar numa cabeçada de Kompany e Alisson voltou a defender. 
Sob pressão após ter sofrido dois gols na mesma partida pela primeira vez, Tite voltou para o segundo tempo com Roberto Firmino no lugar de Willian na tentativa de partir para o abafa. O Brasil passou a rondar a área da Bélgica. Marcelo cruzou e Frimino chegou atrasado. Em um lance polêmico, Kompany derrubou Gabriel Jesus dentro da área, mas o árbitro sérvio Milorad Mazic ignou inclusive a necessida de consultar o Árbitro de Vídeo. 
O tempo foi passando e Tite continuou apostando nas mudanças. Sacou Gabriel Jesus para a entrada de Douglas Costa, mas a defesa da Bélgica rebatia todas, praticamente posicionada com seis jogadores dentro da grande área. 
A muralha belga só caiu por terra quando Renato Augusto entrou em campo no lugar de Paulinho. Philippe Coutinho cruzou a bola para a área e achou Renato Augusto. De cabeça, o meia, que quase foi cortado antes da Copa, renovou a esperança. O camisa 8 voltou a assustar aos 34. Apareceu sozinho na cara de Courtois, mas finalizou à esquerda do goleiro adversário. Houve novas tentativas na base do abafa, mas não havia mais tempo. Campeão pela última vez em 2002, o Brasil terá de esperar 2022. 
Ficha técnica:Brasil 1Alisson, Fágner,  Thiago Silva, Miranda e Marcelo, Casemiro e Paulinho (Renato Augusto), Willian (Roberto Firmino), Philippe Coutinho e Neymar. Gabriel Jesus (Douglas Costa). Técnico: Tite.
Bélgica 2Courtois, Alderweireld, Kompany e Vertonghen, Meunier, Witsel, Fellaini, De Bruyne, Hazard e Chadli (Vermaelen), Lukaku (Tielemans). Técnico: Roberto Martínez
Gols: Fernandinho (contra), aos 13, e De Bruyne, aos 31 minutos do primeiro tempo; Renato Augusto, aos 31 minutos do segundo tempo. 
Cartões amarelos: Fágner, Fernandinho, Alderweireld e Meunier
Público: 42.873 pagantes
Renda: não divulgada
Árbitro: Milorad Mazic (Sérvia)
*** Informações com Correio Braziliense
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711 (TIM). Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918 (TIM) e (88) 9.9292-5553 (CLARO).

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores