segunda-feira, 7 de maio de 2018

Justiça quebra sigilos de desembargador e assessores suspeitos de corrupção no TJCE

A Justiça determinou a quebra dos sigilos telefônico, fiscal e bancário do desembargador aposentado Paulo Camelo Timbó e de dois de seus então principais assessores, os advogados Kaio Galvão de Castro e Anderson Josué Sales da Silva. Motivo: fundadas suspeitas e indícios do envolvimento dos três no esquema criminoso de venda de sentenças no Tribunal de Justiça do Estado, fato descoberto pela Polícia Federal na “Operação Expresso 150”.  Em outra decisão, a Justiça também negou o pedido da defesa de Timbó para que o processo tramitasse em caráter sigiloso.
O pedido foi feito ao juiz da 15ª Vara Criminal de Fortaleza, Fabrício Vasconcelos Mazza,  pela Superintendência da Polícia Federal, responsável pelo inquérito policial que investiga o esquema criminoso da venda de sentenças e liminares no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará e que já identificou vários acusados, entre eles, quatro desembargadores.
Paulo Camelo Timbó (foto ao lado) foi afastado do cargo e acabou se aposentando. No entanto, não se livrou da investigação que está ainda em andamento pela Polícia Federal, por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ).  Agora, a Justiça determinou que, além dele, seus então assessores no IHCE fossem investigados.
Num dos trechos do processo,  há, segundo a Polícia Federal, veementes indícios de que Kaio Castro e Anderson Sales tinham participação no esquema criminoso da venda de habeas corpus para criminosos. “Nessa toada, destacam-se outros diálogos entabulados entre o investigado (o desembargador) e os seus assessores Anderson Josué Sales da Silva e Kaio Galvão, merecendo análise preferencial um habeas corpus relacionado a um agente acusado de prática de homicídio qualificado, ligado ao tráfico de drogas, desde que o assessor encontre elementos que tornem “palatável” a concessão (do habeas corpus)”.
Em outro trecho de um despacho do juiz, determinando a quebra dos sigilos, o registro do depoimento de uma servidora do Tribunal de Justiça, quando esta fez referência “a atuação do desembargador Paulo Timbó com Kaio Castro e a ocorrência de atitudes suspeitas durante os plantões dos investigados. Teriam recebido dinheiro, em espécie, para dar andamento a solicitações de advogados durante os plantões judiciais”.
Ao determinar a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Paulo Camelo Timbó e dos dois advogados então assessores do magistrado, o juiz ressalta que “nesta esteira, atos de corrupção consistentes na venda de decisões judiciais para a liberação de criminosos leva ao descrédito do Poder Judiciário, além de colocar em risco a ordem pública”.
O pedido de quebra dos sigilos dos investigados feito pela Polícia Federal teve parecer favorável do Ministério Público Estadual.
EsquemaO escândalo que se abateu sobre o Tribunal de Justiça do Estado foi descoberto quando, em 2013, a Polícia  Federal realizava uma investigação de combate às drogas, realizada pelo Departamento de Combate ao Crime Organizado. Na interceptação de conversas telefônicas devidamente autorizadas pela Justiça, a PF descobriu conversas e identificou negociatas entre presos e advogados junto a um desembargador do TJCE, com o intuito de articular a venda de liminares em sede de habeas corpus, com vista a expedição de alvarás de soltura “graciosos”, em benefício de traficantes.
No decorrer das investigações foi possível à PF desarticular o esquema criminoso da venda de decisões judiciais durante os plantões judiciários do Tribunal de Justiça, com o indicativo de envolvimento de diversos agentes, dentre os quais, advogados, servidores e desembargadores.
De acordo com a Justiça, “No curso das investigações surgiram indícios veementes do envolvimento do desembargador Paulo Camelo Timbó, que à época, tinha assento em uma das Câmaras Criminais daquela Corte”. Ele e seus assessores agora investigados, poderão, em breve, irem parar na cadeia.
*** Informações com Ceará News 7
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711 (TIM). Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918 (TIM) e (88) 9.9292-5553 (CLARO).

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores