domingo, 27 de maio de 2018

As atrapalhadas do Governo: Rodrigo Maia recua e diz que governo deveria reduzir alíquota do PIS/Cofins sobre o diesel. Assista

Depois de perceber que o impacto de zerar o PIS/Cofins sobre o diesel seria maior do que o divulgado por ele mesmo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta última quinta-feira em entrevista ao Estadão/Broadcast, que o governo reduza "de imediato" a alíquota dos dois tributos de R$ 0,46 por litro para R$ 0,29. "É o mínimo", disse ele. Até ontem ele defendia uma desoneração completa de PIS/Cofins até o fim do ano, como resposta às paralisações dos caminhoneiros que afetam o abastecimento em todo o País.
Essa proposta, que foi incluída no projeto aprovado que aumenta a carga tributária de 28 setores – que passaram a pagar impostos sobre a folha de pagamento – teria um custo de até R$ 10 bilhões, segundo Maia. Ontem, ele tinha anunciado que a frustração de receitas com a medida seria de R$ 3,5 bilhões. "Isso não é o mais importante", insistiu. "No Refis, o governo projetou R$ 3 bilhões de arrecadação e o resultado foi R$ 35 bilhões."
A redução da alíquota de PIS/Cofins é uma medida que pode ser feita por meio de decreto presidencial. Não precisaria esperar a aprovação do projeto no Congresso.
O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) viajou hoje (quinta) para o Ceará, seu Estado natal, o que inviabiliza na prática a votação ainda esta semana. Representantes do movimento dos caminhoneiros afirmam que a greve só acabará quando a redução dos impostos for publicada no Diário Oficial da União.
Por outro lado, a equipe econômica negociou somente zerar a Cide sobre o diesel. E mesmo assim, a medida ficou condicionada à aprovação do projeto da reoneração da folha de pagamento no Congresso.
Maia rejeitou a avaliação de que teria errado nos cálculos do impacto da benesse aos caminhoneiros. "Fiz aquilo que considero que considero correto para o Brasil", disse o pré-candidato à Presidência, minimizando o fato de ter feito uma previsão de perda de arrecadação muito inferior. "Isso não é o mais importante. O preço na ponta está impossível de pagar. O importante é, inconteste, uma solução para a crise."
Ele lembrou que o governo terá uma arrecadação extra com royalties do petróleo por conta do aumento do preço internacional do produto. Para ele, o governo também conseguirá reduzir despesas com a reoneração da folha de pagamentos de 28 setores. Maia disse que "pro enquanto" não está defendendo a redução do PIS/Cofins para a gasolina. "Mas estou mostrando como aumentaram a arrecadação", disse.
*** Informações com Estadão
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711 (TIM). Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918 (TIM) e (88) 9.9292-5553 (CLARO).

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores