domingo, 1 de abril de 2018

Como a violência ameaça a política e cria uma onda de ódio no Brasil

Tomates, ovos, pedras e tiros têm sido os protagonistas das últimas manifestações públicas no Brasil envolvendo lideranças políticas e integrantes do Judiciário. Das críticas sadias típicas da democracia de qualquer nação, o Brasil vive atualmente uma onda de ódio que deixou as redes sociais e, agora, passou a ocupar as ruas. 
O último grave episódio de intolerância nas manifestações públicas ocorreu na última terça-feira, 27, quando a caravana do ex-presidente Lula, que viajava pelo Sul do País, foi alvejada com disparos de arma de fogo. A Polícia Civil investiga sob o prisma de tentativa de homicídio.  
No início deste mês, a vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, do Psol, foi brutalmente executada a tiros. A parlamentar tinha posições firmes em defesa dos direitos humanos e fazia denúncias contra a Polícia Militar e as investigações ainda não apontam suspeitos. O caso foi o ápice do ódio político que ameaça dominar o Brasil. 
Para cientistas políticos consultados pelo O POVO, a situação atual do País não surgiu da noite para o dia. Foi um processo de construção que uniu os mais diversos elementos. “Esse processo vem desde o impeachment, arrastando pessoas e segmentos da classe média para um chamamento muito radical”, diz a historiadora da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Dulce Pandolfi. Os primeiros sinais da radicalização deveriam ter sidos “censurados” para evitar o crescimento das práticas totalitárias, continua a pesquisadora.  
O especialista em Ciências Políticas, Igor Pinheiro, aponta que parte da “culpa” do clima de acirramento é do Partido dos Trabalhadores (PT) que “decepcionou” parte da população brasileira durante os governos Lula e Dilma.  
Pinheiro, no entanto, destaca que a decepção não justifica os ataques e a intolerância. “Esses comportamentos são reflexos da falta de espírito de democracia do povo brasileiro. Se decepcionou, a resposta é na urna, não pode tomar medidas extremas. Isso é falta de maturidade democrática”, pontua o professor. A socióloga da Universidade Estadual do Ceará (Uece), Monalisa Soares, relembra que a onda de intolerância foi iniciada em 2014 com a polarização política no Brasil se fortalecendo quatro anos depois. Segundo ela, o  movimento se organizou em torno do “antipetismo”. 
“De 2014 para cá, esse tipo de polarização se aprofundou porque a crise política brasileira se aprofundou. A crise não se resolveu e esse ódio foi sendo cultivado. Você passou a ter candidatos porta-vozes desse ódio. Significa muito para as pessoas ter um representante que faz claramente críticas às mulheres, negros, ao movimento LGBT… Esse fator não vai constranger”, destaca a professora, em referência à pré-candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) à presidência da República. 
GILMAR MENDESO ministro do STF disse que os recentes casos de violência política, incluindo o ataque à caravana de Lula, revelam um momento de “muita tensão” no Brasil   
Frases“Lula quis transformar o Brasil num galinheiro, agora está por aí colhendo ovos por onde passa” JAIR BOLSONARO (PSL-RJ) deputado federal e pré-candidato à presidência da República
“Acho que eles estão colhendo o que plantaram. (Por) sempre partir para dividir o Brasil, nós contra eles” GERALDO ALCKMIN (PSDB) governador de São Paulo e pré-candidato à presidência da República, que depois mudaria de ideia e condenou a violência 
“Se eles acham que fazendo isso vão nos assustar, estão enganados. Vai nos motivar. Não podemos permitir que depois do nazismo esses grupos fascistas possam fazer o quiser”. 
LULA (PT) pré-candidato à presidente da República “Nós que amamos o Brasil e o povo brasileiro precisamos nos unir para derrotar o fascismo” MANUELA D’ÁVILA (PCdoB) pré-candidata à presidência da República  
APOIOO presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia(DEM) considerou “gravíssimo” o ataque ao ex-presidente Lula durante caravana pelo Sul do País. Ele se diz pré-candidato á presidência. 
*** Informações com O Povo
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711 (TIM). Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918 (TIM) e (88) 9.9292-5553 (CLARO).

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores