segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

De janeiro a dezembro já são 139 mortes por dengue e chikungunya em Fortaleza.

Uma média de 11 pessoas morreram a cada mês em Fortaleza vítimas da dengue ou chikungunya no período entre janeiro e início de dezembro desse ano. De acordo com o mais recente Boletim Epidemiológico da Secretaria de Saúde da Capital (SMS), 14 foram devido a complicações da primeira doença e 125 da segunda. No total, quase 70 mil pessoas (69.8 mil) tiveram uma das duas enfermidades confirmadas por exame laboratorial, causadas pelo mosquito Aedes aegypti. A preocupação de infectologistas é com a pré-estação e quadra chuvosa, com prevalência dos casos no primeiro semestre de cada ano.
Em relação à chikungunya, quando comparados às ocorrências confirmadas a igual período de 2016, houve um aumento de 221% em 12 meses. No ano passado, foram contabilizados 17.5 mil casos da doença. Segundo o boletim, a Taxa de Incidência (TI) acumulada até a 49ª semana epidemiológica (8 de dezembro) é de 2.150,3 casos por 100 mil habitantes, considerada ainda muito alta.
Do total, 67,1% das confirmações foram registrados na população adulta e ativa, dos 20 aos 59 anos de idade. As pessoas com 60 anos ou mais responderam por 16,3% dos casos, os adolescentes (10 aos 19 anos) por 11,7% e as crianças (0 a 9 anos) por 5%. Ainda é possível observar que 79,1% dos óbitos suspeitos (110) ocorreram nos meses de abril a junho. No tocante à idade, 85,6% deles ou 119 foram registrados na população maior de 60 anos, com destaque para o grupo com mais de 70 anos, com 75,2% das mortes. Dos 125 óbitos já confirmados, 94 pacientes tinham mais de 70 anos (75,2%).
IncidênciaEntre os bairros com maior ocorrência estão Bom Jardim, com 3.1 mil confirmações da doença, seguida por Serrinha (1.8 mil); Montese (1.7mil) e Granja Portugal (1.5 mil). Fortaleza possui 64,7% ou 77 dos bairros com incidência entre 1.2 mil a 9.2 mil casos por 100 mil habitantes. Sobre a dengue, foram confirmados no período, 13.3 mil casos e 14 óbitos. Em 2016, foram 21.6 mil ocorrências e 11 mortes. Entre os bairros com maior número de infectados, está o Bom Jardim, com 651 casos; Granja Portugal, 563 e Conjunto Ceará I, com 512 confirmações.
Mais complicadaO infectologista Anastácio Queiroz alerta que 2018 está aí e, com ele, principalmente até o meio do ano, os casos se multiplicam. Ele avalia que a realidade pode ser mais complicada do que os números oficiais. "Como muita gente não busca ajuda médica e se automedica, como uso de analgésicos e até corticoides, a situação continua sendo muito preocupante".
O especialista diz que, se a dengue mata mais e a zika é a que mais chama atenção, devido às gestantes, a chikungunya maltrata muito e os pacientes ficam até sem poder andar direito ou até pentear o cabelo. "As dores são constantes, sem falar nos prejuízos em geral, como mais tempo afastado do trabalho ou de qualquer atividade até de lazer", explica o especialista.
Na opinião de do médico Anastácio Queiroz, a única maneira de conter o mosquito é contar com a ajuda diária da população. "Isso já deveria ser parte do cotidiano das pessoas: não adianta o poder público fazer de tudo, se a pessoa mantém depósitos com focos do vetor", comenta o infectologista.
*** Informações com Diário do Nordeste
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores