terça-feira, 21 de novembro de 2017

Produção agrícola sofre com má qualidade de rodovias.

O Brasil é um dos gigantes da agropecuária no mundo. O país é o maior exportador de carne do planeta e segundo maior exportador agrícola. No entanto, a questão logística põe a situação dos produtores em desvantagem.
Antônio José Meireles tem 46 anos, há 16 trabalha como agricultor. Ele, que planta milho e soja em Naviraí, no Mato Grosso do Sul, reclama da atual situação com relação ao escoamento da produção.
“A gente sabe que a gente não consegue produzir se a gente não pagar o transporte. O custo desse transporte via rodovia é alto.”
Elisangela Lopes é assessora técnica da Comissão Nacional de Infraestrutura de Logística da Confederação de Agricultura e Pecuária, a CNA. Ela conta que a malha rodoviária do Brasil é responsável por transportar cerca de 60% de todos os produtos produzidos no campo. O problema é que, segundo um levantamento da Confederação Nacional de Transportes, a CNT, 60% das estradas brasileiras foram avaliadas como regulares, ruim ou péssimas, com problemas na pavimentação, falta de sinalização e buracos. Ainda segundo a pesquisa estradas com uma pavimentação avaliadas como péssima podem causar um aumento no custo operacional de até 91,5%.
Elisangela deu detalhes do quanto isso pesa para o produtor brasileiro na comparação com os principais concorrentes do Brasil no mercado externo.
“Nós somos imbatíveis quando comparamos com ele a questão da nossa produtividade para dentro da porteira. Passou a porteira, aí a situação muda de figura. Nós temos os maiores custos, cerca de três, quatro vezes mais que Estados Unidos e Argentina.”
Para agravar a situação, as possibilidades de baratear o escoamento da produção estão emperradas por falta de estrutura, como a utilização de rios e ferrovias, avalia Elisangela.
”Como a gente não tem hidrovias, a gente tem rios, mas que não são classificados, na maioria, como hidrovias. Faltam obras de finalização, dragagem, derrocamento, tornar as condições desse rio navegável. A gente utiliza muito pouco aibnda as nossas hidrovias. E o ferroviário é caracterizado por um monopólio, onde o custo do transporte muitas vezes é balizado rodoviário. Chegando a custar o mesmo valor, quando internacionalmente esse valor chega a ser 30% menos.”
Enquanto a situação não é resolvida, Antônio José lamenta a falta de atenção dada à situação.
“Enquanto nossos políticos não focarem que o Brasil é um país extremamente agrícola e que depende disso para ser mais competitivo lá fora, a gente precisa ter uma infraestrutura melhor, a gente vai continuar sofrendo.”
Quando separado por regiões do país, de acordo com o levantamento da CNT, a Região Norte do país é quem mais sofre com custos adicionais, 33,6% ao todo. O Sudeste, que menos paga custos adicionais, tem um acréscimo de 24,7% no transporte dos produtos.
*** Informações com Reportagem de Raphael Costa via Agência do Rádio Mais
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores