quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Violência sexual: Criança de 8 anos morre de hemorragia após noite de núpcias com marido muçulmano

Parece inacreditável contar uma história trágica e revoltante como estas e, pior, amparada por leis de alguns países do Oriente Médio, que permitem que crianças sejam violadas com o aval do Estado e da Justiça. As polêmicas leis do oriente que se baseiam em valores éticos, morais e religiosos vitimaram uma criança de 8 anos de uma forma muito cruel. Nesta história, uma menina de apenas oito anos foi entregue à família, em troca de dinheiro (dote), para se casar com um homem de 40 anos.
O caso que chamou muito a atenção do mundo ocidental, da mídia e de autoridades internacionais de proteção aos direitos humanos, envolve uma crueldade infantil no #iêmen.
Um homem muçulmano comprou uma menina de apenas oito anos de sua família, pelo valor equivalente a R$6 mil e teve uma noite de núpcias com a menina. Ela acabou morrendo com uma hemorragia interna.
Quando a vida no Iêmen vale R$ 6 mil
A menina de apenas oito anos, chamada de Rawan , foi vendida por sua família por uma quantia equivalente a R$ 6 mil, numa região tribal de Hardh, uma região de fronteira de dois países do Oriente Médio, o Iêmen e a Arábia Saudita. Cabe ressaltar que, pelas leis do Iêmen, tanto a poligamia masculina, quando a formação de um harém com meninas menores de idade é permitida.
O homem que adquiriu a menina, como um produto ou um objeto, é um muçulmano saudita que tinha como objetivo ter uma noite de núpcias com a criança. A informação do jornal “Der Tagesspiegel”, da Alemanha, deu a notícia que a menina deu entrada logo após a 'lua de mel' com ferimentos internos.
Os médicos que atenderam Rawan confirmaram que o sangramento tinha origem no útero da menina por ato sexual. A menina não resistiu e faleceu por conta dos ferimentos.
Uma mulher que defende os direitos humanos internacionais, Arwa Othman,relatou a Reuters que a menina teve sua primeira relação sexual com apenas oito anos e que o estupro de vulnerável, segundo as leis do ocidente, acabaram gerando ferimentos uterinos e matando a menina.
Direitos Humanos interviram e pedem justiça e novas leis
Depois da morte da criança, Arwa Othman, passou a liderar um grupo que exige que tanto o comprador quanto o vendedor da criança sejam responsabilizados pela morte de Rawan. Também passaram a exigir que as leis no país sejam alteradas e que apenas mulheres com mais de 18 anos possam se casar.
A luta de Arwa não é nova. Desde 2010, ela é uma das ativistas mais atuantes no Iêmen, quando uma criança de 13 anos morreu da mesma forma. Na época, o marido tinha 26 anos.
Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas),  mais de 50% das meninas menores de 18 anos acabam se casando.
Pior ainda, cerca de 14% chegam a se casar antes de 15 anos. As leis exigem que a mulher escolhida (e comprada) abandone os estudos e passe a viver aos costumes da vida oriental, servindo exclusivamente seus maridos. Após casarem, não podem estudar nem trabalhar sem autorização de seus 'donos', o que não costuma acontecer.
***** Informações com: Blastingnews
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918. Nosso site e nossa empresa não tem conotação política partidária com nenhum Grupo Político.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores