sábado, 29 de julho de 2017

Ceará foi um dos Estados onde a JBS mais pagou propina a políticos em campanha

A nova edição da revista Época traz revelações bombásticas sobre o escândalo do pagamento de propina pela JBS a políticos brasileiros nos últimos doze anos – 2006 a 2017. Complica-se a situação do presidente Michel Temer (PMDB) e enrola de vez o ex-governador Cid Gomes, já que o Ceará é apontado como um dos estados, ao lado de Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, como mais beneficiados com o recebimento do dinheiro sujo dos irmãos Joesley e Wesley Batista.
O “planilhão” da propina da JBS supera os R$1,124 bilhões e há provas do pagamento com notas fiscais frias a centenas de políticos. Um dos citados é o próprio Temer, que recebeu R$22 milhões através da empresa Pública, do publicitário Elcinho Mouco, que trabalha diretamente com o atual presidente da República.
No Ceará, como também no Mato Grosso do Sul e em Santa Catarina, a JBS trocou propina por fraudes no pagamento de seus impostos. Nesses três estados, há filiais da empresa com alta rentabilidade. No Ceará é um curtume em Cascavel.
Assim, a JBS tem provas das notas fiscais frias dadas pelo ex-governador Cid Gomes – diretamente quem negociou essa ordem para receber recursos no valor de R$20 milhões em troca de abate de imposto foi o deputado federal Antônio Balhman. Contudo, Balhman assegurou o cumprimento de seu acordo. Daí, a JBS pagou a propina.
Na Época, a JBS fala em bilhões e inclui o presidente do Senado, Eunício Oliveira, beneficiado pela quantia de R$300 mil pagos em espécie. Coube, segundo a JBS, ao publicitário André Gustavo, da Arcos Propaganda, entregar o dinheiro a Eunício. O estranho nessa história: Eunício nunca esteve com André Gustavo e nem o conhece; Eunício aceita fazer uma acareação com o publicitário André Gustavo na frente dos procuradores do Ministério Público Federal (MPF) e a história é surreal: enquanto todos os caciques do PMDB receberem milhões, Eunício teria se conformado, mesmo sendo líder do partido, com uma quantia irrisória. Nem o MPF tem como sustentar essa história.
Diante do posicionamento firme de Eunício, a JBS alegou que apenas encaminhou o recurso a André Gustavo – está preso pelas fraudes com o presidente da Petrobras e Banco do Brasil, Aldemir Bendine. E não teve contato direto com Eunício. Flagrado com o desmentido, André Gustavo disse que realmente não entregou os R$300 mil pessoalmente a Eunício, mas a um intermediário. Indagado o nome desse recebedor, o publicitário pernambucano André Gustavo não sabe. Disse que não se lembra.
*** Informações com Revista Época via Ceará News 7
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918.

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores