segunda-feira, 22 de maio de 2017

"Fracasso": Jantar de apoio a Temer é cancelado por temor de baixa adesão

BRASÍLIA - Um jantar marcado para a noite deste domingo com o objetivo de demonstrar que o presidente Michel Temer ainda tem força no Congresso acabou se tornando uma demonstração da fragilidade crescente do governo desde a delação da empresa JBS. Os articuladores políticos do Palácio do Planalto começaram a convidar os líderes dos partidos da base entre a noite do último sábado e a manhã deste domingo. No início da tarde, no entanto, percebendo que havia risco de baixo quórum, aliados do presidente começaram a anunciar que o jantar se converteria em um encontro “informal”, com a presença dos aliados que estivessem em Brasília. Ao final da noite, cinco líderes de partidos da base e quatro presidentes de legendas aliadas foram ao Palácio da Alvorada.
Uma das principais apostas de aliados do presidente agora é na decisão que o Supremo Tribunal Federal (STF) deve tomar nesta quarta-feira, sobre o pedido de suspensão do inquérito que corre contra ele no tribunal. Temer pediu uma perícia no áudio da conversa entre ele e o dono da JBS, Joesley Batista, que detonou a atual crise. Parlamentares acreditam que, caso a corte faça ressalvas explícitas à investigação, Temer se fortalecerá. No entanto, se der carta branca para a apuração, a situação do presidente ficará ainda mais delicada.
— Vamos fazer uma reunião com quem estiver aqui. Muitos não conseguiram voo no domingo para Brasília — explicou Baleia Rossi.
No fim da noite, Temer contou com 29 congressistas (23 deputados e seis senadores), inclusive o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Os três líderes do governo também foram: Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), líder do governo no Congresso, e Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado.
O encontro, que era para medir o apoio que Temer ainda tem no Senado e na Câmara, após o escândalo da JBS, acabou ganhando cara de reunião ministerial, com 17 ministros presentes. Segundo um dos que foram ao encontro, Temer aproveitou a reunião para voltar a atacar Joesley Batista:
— O Brasil não pode se sujeitar a um rematado delinquente, que está livre nos Estados Unidos.
Esse foi o tom adotado pelo presidente no pronunciamento que fez no sábado, quando decidiu desqualificar o delator e as provas por ele apresentadas e pedir a suspensão do inquérito aberto no STF para investigá-lo pelos crimes de obstrução de Justiça, corrupção passiva e organização criminosa. Em outro momento, ainda segundo um participante do encontro, Temer teria tentado animar os aliados, dizendo que é preciso “resistir”.
— Precisamos resistir, precisamos resistir. Pelo Brasil e pela ordem jurídica. O Brasil vai continuar funcionando.
Na mesa, como ouvintes estavam os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil); Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia); Raul Jungmann (Defesa); Moreira Franco (Secretaria Geral); Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo); Osmar Serraglio (Justiça); Helder Barbalho (Integração Nacional); Fernando Coelho Filho (Minas e Energia); Dyogo Oliveira (Planejamento); Henrique Meirelles (Fazenda); Aloysio Nunes (Relações Exteriores); Ronaldo Nogueira (Trabalho); Bruno Araújo (Cidades) e Mendonça Filho (Educação).
O líder do Solidariedade, Aureo (RJ), foi convidado, mas não compareceu. Segundo ele, o convite foi feito muito em cima da hora. — Não consigo ir, fui convidado muito em cima. É um dia que ninguém está em Brasília, fica difícil juntar muita gente — disse Aureo.
O DEM, embora representado na reunião, adotou tom de cautela. O líder do partido na Câmara, Efraim Filho (PB) disse que a sigla não quer se precipitar em nenhum posicionamento.
— Estamos colhendo informações para avaliar os cenários. O presidente errou em alguns procedimentos? Sem dúvida. Agora, esses erros são grandes o suficiente para que ele saia do poder? Estamos avaliando. O erro foi só receber o delator tarde da noite? Ou há crimes? Não dá para tomarmos uma posição com base em pedaços de informação. Se houve crimes, quem vai dizer isso é o Supremo — disse Efraim.
Um auxiliar do presidente afirmou que é possível que ele queira tentar remarcar a reunião esta semana. Sua maior preocupação é que o Congresso siga trabalhando, aprovando as medidas provisórias que estão prestes a caducar, para que as reformas trabalhista e da Previdência sigam sua tramitação. Caso consiga, o que é pouco provável, conseguirá fôlego para enfrentar a crise. O ataque a Joesley pode ser o ponto de aproximação de Temer com os aliados que cogitam abandonar o governo.
— Eu percebo que há uma insatisfação de parte significativa da sociedade com o fato de Joesley ter delatado, ter praticado crimes e estar solto. Temer está pontuando acertadamente isso — avaliou reservadamente um aliado que participou do encontro.
*** Informações com O Globo
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SEBRAE - CEARÁ

Meus seguidores