segunda-feira, 22 de maio de 2017

"Fracasso": Jantar de apoio a Temer é cancelado por temor de baixa adesão

BRASÍLIA - Um jantar marcado para a noite deste domingo com o objetivo de demonstrar que o presidente Michel Temer ainda tem força no Congresso acabou se tornando uma demonstração da fragilidade crescente do governo desde a delação da empresa JBS. Os articuladores políticos do Palácio do Planalto começaram a convidar os líderes dos partidos da base entre a noite do último sábado e a manhã deste domingo. No início da tarde, no entanto, percebendo que havia risco de baixo quórum, aliados do presidente começaram a anunciar que o jantar se converteria em um encontro “informal”, com a presença dos aliados que estivessem em Brasília. Ao final da noite, cinco líderes de partidos da base e quatro presidentes de legendas aliadas foram ao Palácio da Alvorada.
Uma das principais apostas de aliados do presidente agora é na decisão que o Supremo Tribunal Federal (STF) deve tomar nesta quarta-feira, sobre o pedido de suspensão do inquérito que corre contra ele no tribunal. Temer pediu uma perícia no áudio da conversa entre ele e o dono da JBS, Joesley Batista, que detonou a atual crise. Parlamentares acreditam que, caso a corte faça ressalvas explícitas à investigação, Temer se fortalecerá. No entanto, se der carta branca para a apuração, a situação do presidente ficará ainda mais delicada.
— Vamos fazer uma reunião com quem estiver aqui. Muitos não conseguiram voo no domingo para Brasília — explicou Baleia Rossi.
No fim da noite, Temer contou com 29 congressistas (23 deputados e seis senadores), inclusive o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Os três líderes do governo também foram: Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), líder do governo no Congresso, e Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado.
O encontro, que era para medir o apoio que Temer ainda tem no Senado e na Câmara, após o escândalo da JBS, acabou ganhando cara de reunião ministerial, com 17 ministros presentes. Segundo um dos que foram ao encontro, Temer aproveitou a reunião para voltar a atacar Joesley Batista:
— O Brasil não pode se sujeitar a um rematado delinquente, que está livre nos Estados Unidos.
Esse foi o tom adotado pelo presidente no pronunciamento que fez no sábado, quando decidiu desqualificar o delator e as provas por ele apresentadas e pedir a suspensão do inquérito aberto no STF para investigá-lo pelos crimes de obstrução de Justiça, corrupção passiva e organização criminosa. Em outro momento, ainda segundo um participante do encontro, Temer teria tentado animar os aliados, dizendo que é preciso “resistir”.
— Precisamos resistir, precisamos resistir. Pelo Brasil e pela ordem jurídica. O Brasil vai continuar funcionando.
Na mesa, como ouvintes estavam os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil); Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia); Raul Jungmann (Defesa); Moreira Franco (Secretaria Geral); Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo); Osmar Serraglio (Justiça); Helder Barbalho (Integração Nacional); Fernando Coelho Filho (Minas e Energia); Dyogo Oliveira (Planejamento); Henrique Meirelles (Fazenda); Aloysio Nunes (Relações Exteriores); Ronaldo Nogueira (Trabalho); Bruno Araújo (Cidades) e Mendonça Filho (Educação).
O líder do Solidariedade, Aureo (RJ), foi convidado, mas não compareceu. Segundo ele, o convite foi feito muito em cima da hora. — Não consigo ir, fui convidado muito em cima. É um dia que ninguém está em Brasília, fica difícil juntar muita gente — disse Aureo.
O DEM, embora representado na reunião, adotou tom de cautela. O líder do partido na Câmara, Efraim Filho (PB) disse que a sigla não quer se precipitar em nenhum posicionamento.
— Estamos colhendo informações para avaliar os cenários. O presidente errou em alguns procedimentos? Sem dúvida. Agora, esses erros são grandes o suficiente para que ele saia do poder? Estamos avaliando. O erro foi só receber o delator tarde da noite? Ou há crimes? Não dá para tomarmos uma posição com base em pedaços de informação. Se houve crimes, quem vai dizer isso é o Supremo — disse Efraim.
Um auxiliar do presidente afirmou que é possível que ele queira tentar remarcar a reunião esta semana. Sua maior preocupação é que o Congresso siga trabalhando, aprovando as medidas provisórias que estão prestes a caducar, para que as reformas trabalhista e da Previdência sigam sua tramitação. Caso consiga, o que é pouco provável, conseguirá fôlego para enfrentar a crise. O ataque a Joesley pode ser o ponto de aproximação de Temer com os aliados que cogitam abandonar o governo.
— Eu percebo que há uma insatisfação de parte significativa da sociedade com o fato de Joesley ter delatado, ter praticado crimes e estar solto. Temer está pontuando acertadamente isso — avaliou reservadamente um aliado que participou do encontro.
*** Informações com O Globo
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores