sábado, 15 de abril de 2017

"Alerta": 11% do território cearense está desertificado e perdeu a capacidade produtiva

Em até dois anos dever ser finalizado um estudo que vai mapear 90% do solo do Ceará. A análise vai subsidiar um novo planejamento agrícola que pode ser eficaz às ações de combate à desertificação no Estado, já que o problema é gerado principalmente pelas atividades humanas que degradam o solo, como explica a matéria da Tribuna Band News FM.
A gerente de recursos ambientais da Funceme, Margareth Carvalho, alerta que 100% do território cearense é suscetível à desertificação. Ela destaca que o uso adequado do solo pode minimizar e, até mesmo, reverter o problema.
“Tem componente de ordem social, econômica e cultural que deve ser percebida em todo esse processo. Grande parte dessa população que está nessa região que produz são pessoas de baixo poder aquisitivo para investir em melhores práticas. A própria queimada que ainda se faz, infelizmente, é a alternativa que o pequeno agricultor tem para limpar essa terra que ele vai plantar”, diz.
11% do território cearense já perdeu totalmente a capacidade produtiva, o que representa 16 mil quilômetros quadrados. Ao afirmar que é complexo reverter as áreas desertificadas, a professora do Departamento de Geografia da UFC Marta Celina Linhares afirma que o Governo tem feito apenas ações pontuais desde que assinou a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, há 23 anos.
As áreas mais críticas no Estado estão concentradas no médio Jaguaribe, Sertão dos Inhamuns, Irauçuba e nas regiões circunvizinhas. Desde 2011, a Associação Caatinga desenvolve, no Ceará e no Piauí, ações de combate à desertificação junto a 3 mil e 300 famílias. Boa parte delas residem na região dos Sertões de Crateús.
O coordenador geral da associação, Rodrigo Castro, ressalta que as áreas precisam de uma grande intervenção nos locais em que o processo de desertificação é ainda mais acentuado as ações devem ser ainda mais estruturadas. “Recuperar a estrutura e a fertilidade do solo como primeiro passo para recompor e ter alguma chance de recompor a recuperação do solo e que ele seja a base ou substrato para a recuperação da floresta da restauração que viria a seguir. É um processo de médio, longo prazo, complexo e que exige investimento e pesquisa”, explica. 12% do território nacional possui algum grau de desertificação, segundo relatório do Plano Nacional de Combate à Desertificação.
*** Informações com Tribuna do Ceará
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores