quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Ressaca do mar volta a atingir o litoral cearense causando muitos prejuízos para comerciantes.

O litoral cearense voltou a ser atingido pela ressaca do mar. No fim da tarde dessa terça-feira, uma barraca de praia foi destruída pela maré alta no Morro Branco, em Beberibe. A estrutura da Gaúcho Beach foi completamente levada pelas fortes ondas. Segundo o gerente da barraca, Marcos Domingos, o prejuízo estimado é de R$ 200 mil.
Com este caso, já são nove unidades destruídas pela maré alta no Morro Branco. Os demais barraqueiros temem que outros acidentes possam vir a ocorrer e pedem ao poder público um novo local para instalação dos equipamentos.
"Perdemos completamente tudo. Estamos aqui há 10 anos e nunca havíamos visto uma ressaca do mar tão forte. Esperamos que o poder público viabilize um novo local para os barraqueiros, que estão arcando com um prejuízo enorme", destaca Marcos Domingos.
A Barraca da Maia, vizinha ao Gaúcho Beach, decidiu fechar as portas por receio de que as ondas possam derrubar a estrutura do estabelecimento e causar uma tragédia. "Decidimos tirar tudo de dentro e abandonar o local por receio de que algo pior possa acontecer", frisa o funcionário André Frota.
O proprietário da barraca Palhoça Sereia, Erivan Monteiro, já está há 30 dias sem receber nenhum cliente. "Tive que contratar cerca de 20 homens para fazer a manutenção da barraca na tentativa de mantermos o negócio aberto. Recebíamos cerca de 50 pessoas diariamente em parceria com agências de turismo e, atualmente, nenhum cliente aparece. Nosso prejuízos já ultrapassaram os R$ 50 mil", lamenta.
Segundo Sandro Régis, proprietário da barraca SG, o clima de tensão é grande. "Perdemos cerca de 50% de nossa clientela por conta dos últimos acontecimentos. Investi cerca de R$ 15 mil em manutenção, para tentar frear os problemas ocasionados pela ressaca do mar. Essa situação tem deixado os turistas com receio de frequentar nossas barracas. O poder público já havia conseguido um novo local para a transferência dos equipamentos, mas o terreno é de propriedade privada, o que acabou embargando o projeto", revelou.
FiscalizaçãoAgentes da Coordenadoria Municipal de Trânsito (Comutran) estiverem no local para orientar motoristas que transitavam próximo a orla. "Estamos diariamente fiscalizando e orientando os turistas e população local para evitarem usar as vias onde a erosão, por conta das ressacas do mar, já estão mais acentuadas".
Audiência PúblicaPara discutir a atual situação das destruições causadas pela ressaca em Morro Branco, um grupo de barraqueiros solicitou audiência pública na Assembleia Legislativa do Ceará, com a presença de representantes do Governo Federal, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) e outra entidades competentes na tentativa de solucionar o caso.
O encontro será no próximo dia 7 de novembro, a partir das 14h. A expectativa é que cerca de 150 barraqueiros e familiares da região compareçam à audiência pública para dar apoio às reivindicações.
*** Informações com Diário do Nordeste
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores