quinta-feira, 3 de novembro de 2016

"Impasse": Ministério Público Federal do Ceará pede suspensão do Enem 2016.

O Ministério Público Federal do Ceará (MPF-CE) ajuizou, ontem, uma ação civil pública pedindo a suspensão do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016 em todo o País. A solicitação ocorre em virtude do adiamento da avaliação para mais de 191 mil candidatos após a ocupação de escolas que funcionariam como locais de prova. Segundo o procurador da República Oscar Costa Filho, autor da ação, a realização do exame em datas diferentes fere o princípio da igualdade e prejudica os concorrentes em geral. O Ministério da Educação anunciou ainda nessa quarta-feira (2) que tentará barrar a ação na Justiça.
A prorrogação das datas de prova foi determinada pela pasta federal na última terça-feira (1). Para os participantes que fariam a avaliação nas instituições ocupadas, o Enem, marcado para este fim de semana, acontecerá apenas nos dias 3 e 4 de dezembro, com um novo exame. De acordo com o Ministério, ambos contarão com 45 questões objetivas e redação.
O procurador cearense afirma, no entanto, que a aplicação de duas provas diferentes de redação, com temas distintos, não garante as mesmas condições de disputa às vagas. "Quanto às provas objetivas, não há problemas porque elas estão submetidas à metodologia da teoria de resposta ao item. Mesmo não sendo as mesmas questões, o nível de dificuldade é igual. Mas isso não acontece na redação e o próprio MEC diz no site. Não é possível dizer se uma redação vai ter o tema mais difícil que a outra", argumenta Oscar Costa Filho.
Conforme o procurador, a ação deve ser julgada nesta quinta-feira (3) ou amanhã. Caso o pedido seja acatado, ele destaca que o MEC terá as opções de adiar as duas provas para todos os candidatos ou realizar apenas a prova objetiva em datas diferentes. "Já a redação tem que ser no mesmo dia para todo mundo". Costa Filho defende que, se o calendário de provas for mantido, a validade jurídica do exame poderá ser questionada.
Versão do MECEm resposta, o MEC publicou ontem em seu site uma nota informando que acionará a Advocacia Geral da União (AGU) para apresentar à Justiça Federal "fatos que demonstram o grave equívoco na argumentação apresentada". Ainda segundo a nota, todos os anos são realizados dois tipos de prova e duas redações. As avaliações, contudo, garantem igualdade a todos os inscritos, alega a pasta. "É lamentável qualquer tentativa que venha gerar insegurança e tumultuar um Exame que afeta a vida de 8,6 milhões de estudantes e seus familiares", acrescenta o MEC no comunicado.
Fique por dentro - Órgão já solicitou anulação do teste duas vezes:Em 2011, o MPF-CE protagonizou outra polêmica envolvendo o Enem. Na ocasião, Oscar Costa Filho pediu a anulação do exame no País em decorrência do vazamento de questões por um colégio particular de Fortaleza dias antes da prova. O MEC determinou que apenas os alunos da instituição teriam as provas canceladas e seriam obrigados a refazer a avaliação em outra data.
No ano anterior, o procurador também solicitou o cancelamento do Exame, dessa vez alegando falhas de impressão, montagem e aplicação das provas. O teste foi reaplicado apenas para candidatos prejudicados.
*** Informações com Diário do Nordeste
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores