quarta-feira, 16 de novembro de 2016

"Alerta": Ceará volta a ter casos do tipo mais grave da dengue, segundo o Ministério da Saúde

Aumenta a preocupação de infectologistas com o avanço da dengue. Segundo dados do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde (MS), relativos até setembro deste ano, o Ceará é um dos oito no Brasil que registram a reintrodução do sorotipo 2 da doença, o mais agressivo dos quatro vírus em circulação no País. Pará, Distrito Federal, São Paulo, Pernambuco, Goiás, Minas Gerais e Rio Grande do Sul também identificaram o reaparecimento desse tipo. Segundo o MS, foram analisadas três mil amostras positivas em laboratório, 5,7% já são do tipo 2. Dos 181 exames de pacientes cearenses, 36 deram diagnósticos para a dengue, sendo 2,8% do sorotipo mais virulento.
O Ceará não enfrentava esse tipo de vírus desde 2009, quando conseguiu erradicá-lo de seu território e, por isso, seu retorno representa grande apreensão por parte da área de saúde. O infectologista pediátrico do Hospital São José, Robério Leite, aponta que toda uma população que nunca teve dengue corre perigo, "mesmo aqueles que tiveram de outros sorotipos, pois, a doença é diferente da chikungunya ou zika, que só tem um vírus, e quem já teve está imunizados naturalmente". O médico não esconde o temor com o reaparecimento do tipo 2. "Imagine todas as crianças com até sete anos de idade. Elas estão desprotegidas e nossa inquietação tem sentido. Todos os anos que um sorotipo volta circular, existe maiores chances de epidemias de maior gravidade e precisamos sim nos organizar para não deixar isso ocorrer", defende.
De acordo com o especialista, grande parte da população teve o tipo 1, enfrentando epidemias em anos como 2011, 2012, 2014 e ano passado. "A ocorrência de uma segunda infecção por outro sorotipo aumenta o risco de desenvolvimento de uma das formas graves da doença, que podem levar à morte, como a febre hemorrágica", afirma e diz concordar com a Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses, que aponta risco de desenvolvimento de uma forma grave da dengue é de 15 a 20 vezes maior quando se trata de uma segunda infecção.
A Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) informa em nota, que não irá se pronunciar e que está em fase de finalização do Plano de Contingência das Arboviroses para 2017, que será lançado no fim deste mês e estará disponível na página oficial do órgão.
"Como medidas de controle vetorial que estão sendo adotadas nos meses de novembro e dezembro estão a intensificação do acompanhamento do dado das visitas domiciliares realizadas pelos municípios, visitas técnicas e orientações aos municípios e Coordenadorias Regionais de Saúde (CRES), incentivos à realização de Levantamento Rápido do Índice de Infestação Aedes aegypti (LIRAs) para o melhor planejamento das ações para 2017", diz, via assessoria de comunicação.
O boletim mais recente da Sesa informa que o Ceará soma 34,4 mil casos confirmados da doença até novembro em 2016, com 25 mortes. Em relação ao mesmo período do ano passado houve um redução de 34,1% ante os 52, 2 mil em 2015, com 63 óbitos. Sobre os sorotipos circulantes, a Sesa constatou o tipo 2 numa amostra em Caucaia. O Denvi circula de forma predominante no Estado.
*** Informações com Diário do Nordeste
Acompanhe as notícias diariamente do Portal de Notícias Aconteceu Ipu pela rede social: #AconteceuIpu (Facebook da nossa redação). Entre em contato pelo whatsapp: (88) 9.9916-7711. Contrate também nosso Departamento de Marketing para cobertura de eventos pelo telefone: (88) 9.9600-1918

0 comentários:

SITES OFICIAIS E REFERÊNCIA

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

SITES E PORTAIS DE NOTÍCIAS

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

RÁDIOS PARCEIRAS DO AI

Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket Photobucket

Meus seguidores